CUIABÁ

BRASIL & MUNDO

Ônibus com time de futsal tomba, mata duas pessoas e fere 20 – VEJA VÍDEO

Publicados

BRASIL & MUNDO

Um ônibus com o time do Umuarama Futsal, do noroeste do Paraná, tombou na BR-376, em Guaratuba, no litoral do estado, na manhã desta quinta-feira (8). Segundo a concessionária que administra o trecho, duas pessoas morreram, duas ficaram gravemente feridas e outras 18 tiveram ferimentos leves.

Um vídeo mostra o momento em que o ônibus tomba na rodovia. (Fim da matéria)

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que os mortos no acidente são o motorista do veículo e um passageiro que viajava nos fundos do ônibus. De acordo com a Secretaria Municipal de Esportes de Umuarama, o ônibus pertencia ao próprio Umuarama Futsal.

Segundo a PRF, o acidente aconteceu na altura do km 667, no sentido Santa Catarina. Em janeiro, um outro acidente mais grave envolvendo um ônibus aconteceu a um quilômetro do trecho, deixando 19 mortos e 31 feridos.

O técnico da equipe, Nei Victor, estava no ônibus e disse que o time viajava para Jaraguá do Sul, onde disputaria uma partida pela Taça Brasil de Futsal.

Segundo a concessionária que administra o trecho, os feridos foram levados para o Hospital São José de Joinville e o Pronto Atendimento de Garuva, em Santa Catarina.

A concessionária que administra o trecho informou que uma carreta e um carro também se envolveram na batida, mas nenhum dos ocupantes destes dois veículos ficaram feridos.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a pista está bloqueada para atendimento da ocorrência.

Causa do acidente

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), uma perícia será feita no local e no veículo para identificar a causa do acidente.

A direção do Umuarama Futsal informou que a manutenção do ônibus estava em dia. Aparentemente, o condutor do coletivo perdeu o controle do veículo em uma curva:

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

BRASIL & MUNDO

Ex-ministro da educação é preso pela PF por esquemas com pastores no MEC

A Operação investiga o balcão de negócios montado por pastores, também preso, dentro da pasta comandada pelo ex-ministro.

Publicados

em

Além de Milton Ribeiro, são alvos os pastores Arilton Moura e Gilmar Santos, apontados como lobistas

A Polícia Federal prendeu nesta quarta o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, alvo de investigações por corrupção na liberação de verbas do ministério a partir de um esquema de tráfico de influência envolvendo pastores evangélicos.

As ordens judiciais foram emitidas pela 15ª Vara Federal Criminal da Seção Judiciária do Distrito Federal, após declínio de competência à primeira instância. A investigação corre sob sigilo. O mandado contra Ribeiro é de prisão preventiva.

Agentes cumprem mandados de busca e apreensão em endereços de Ribeiro e dos pastores Arilton Moura e Gilmar Santos, apontados como lobistas que atuavam no MEC. Santos e Moura também foi preso.

São cumpridos 13 mandados de busca e apreensão e cinco mandados de prisão nos estados de Goiás, São Paulo, Pará e Distrito Federal, além de medidas cautelares diversas como proibição de contatos entre os investigados e envolvidos.

Batizada de “Acesso Pago”, a ação investiga a prática de tráfico de influência e corrupção para a liberação de recursos públicos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, vinculado ao Ministério da Educação.

“A investigação iniciou-se com a autorização do STF em razão do foro privilegiado de um dos investigados. Com base em documentos, depoimentos e Relatório Final da Investigação Preliminar Sumária da Controladoria-Geral da União reunidos no inquérito policial, foram identificados possíveis indícios de prática criminosa para a liberação das verbas públicas”, diz a PF.

O crime de tráfico de influência está previsto no artigo 332 do Código Penal, com pena prevista de 2 a 5 anos de reclusão. São investigados também fatos tipificados como crime de corrupção passiva (2 a 12 anos de reclusão), prevaricação (3 meses a 1 ano de detenção) e advocacia administrativa (1 a 3 meses), todos previstos no Código Penal.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA