CUIABÁ

Cultura e Lazer

AGENDA CULTURAL: MT oferece mais de 60 espaços museológicos

Publicados

Cultura e Lazer

Verdadeiras máquinas do tempo, os museus são lugares de reflexão sobre o passado, o presente e o futuro de uma nação. Caminhar por entre galerias e espaços museológicos é pôr os pés em algum lugar ou recorte da nossa história e, de certa forma, presenciar a construção de narrativas de um passado unívoco – e porque não onírico -, intrinsecamente ligado ao futuro.

Atualmente, em Mato Grosso, existem mais de 60 espaços museológicos em funcionamento. Entre museus e galerias de arte, são lugares dedicados a contar boa parte da nossa história, com enorme potencial educativo relacionado a aspectos culturais, artísticos e históricos enraizados em nossa sociedade. Frequentar museus, exposições, lugares históricos e galerias de arte fomenta descobertas sobre o homem e sua relação com diferentes povos, culturas e valores.

Para celebrar o Dia Nacional do Museu – 18 de maio – encaramos a difícil tarefa de listar seis espaços museológicos abertos ao público nesta data tão significativa para a preservação das origens, manifestações culturais e artísticas de Mato Grosso. Confira:

• Museu Histórico de Cáceres

Com vista para o Rio Paraguai, a história conta que o Museu Histórico de Cáceres foi criado por ocasião do bicentenário da cidade, em 1978, por conta do incentivo da professora Emilia Darcy Cuyabano, que doou muitas das peças e documentos, hoje salvaguardados pelo museu.

Lá estão expostos livros, fotografias, roupas, itens arqueológicos e geológicos, documentos e objetos históricos que marcaram a colonização da cidade. A história já começa a ser contada pelas paredes da edificação centenárias (tombada como patrimônio histórico municipal, estadual e nacional), localizada no centro de Cáceres, ao lado da Praça Major João Carlos.

Entre os destaques da exposição permanente, a carta de Dom Pedro II, datada de 3 novembro de 1883, nomeando o capitão Antônio Aníbal Alves Pereira, cavaleiro da ordem de São Bento, homenageado pela sua bravura durante a guerra em que acabou morto.

O Museu Histórico de Cáceres está na Rua Antônio Maria, 244, no Centro e funciona de segunda-feira a sexta-feira, das 9h às 18h. A entrada é franca. Informações (65) 3223-1500.

• Museu Histórico de Sinop

Criado março de 2008, o Museu Histórico de Sinop é uma rica fonte de pesquisa e preservação do patrimônio histórico e de bens culturais do município. Muito voltado para ações educativas e culturais, o museu propicia às futuras gerações o direito de conhecer as raízes e a evolução econômica, social e política da “Capital do Nortão”.

Com quase dois mil itens, em seu acervo constam fotos, documentos, vestuário, livros, revistas, mapas, jornais, vídeos, slides, utensílios, ferramentas, móveis, instrumentos musicais e de comunicação também. O bacana é que boa parte do acervo está digitalizado e acessível a população. Os documentos digitalizados estão divididos em Coleção Particular (CPA), Coleção Pública (CPU) e Coleção do Museu de Sinop (CMS).

Destaque para a Coleção Particular que exibe fotos das famílias pioneiras e de pessoas que participaram do processo de construção de Sinop. Com cadastros de 142 pioneiros, esta coleção está dividida em cinco partes: Agricultura, colonizadora, comércio, famílias pioneiras e indústria.

O Museu Histórico de Sinop está localizado na Av. das Embaubas, n° 991, Centro da cidade e funciona de segunda-feira a sexta-feira, das 9h às 18h, com entrada franca. É possível acessar seu acervo pelo link www.sinop.mt.gov.br/museu. Informações (66) 3531-8166.

• Museu de História Natural de Alta Floresta

Inaugurado em 2005, o museu foi criado por meio de convênio firmado entre a Universidade do Estado de Mato Grosso – Unemat, Prefeitura de Alta Floresta e Governo de Mato Grosso.

Seu acervo possui vários fósseis e artefatos arqueológicos encontrados na região, além do registro e catalogação de sítios arqueológicos e, também, de material da história recente da colonização de Alta Floresta. Vale ressaltar que o museu comporta um anfiteatro para 200 pessoas, com o sugestivo nome de Cineclube Mastodonte.

Destaque para a impressionante coleção de fósseis composta, inclusive, por arcadas dentárias da preguiça gigante – muito raras – além de artefatos de pedra de civilizações indígenas. Uma ótima pedida para quem quer conhecer, seja a história cultural ou história natural da região da Amazônia Meridional, com registros de animais, pedras, rochas e muitos, muitos fósseis. A criançada vai adorar!

O Museu de História Natural de Alta Floresta está localizado na Av. Ariosto da Riva, 3075, no Centro de Alta Floresta. Aberto de segunda-feira a sexta-feira, das 9h às 17h, o museu tem entrada franca. Informações (66) 3521-9555.

• Museu de História e Arqueologia (Vila Bela da Santíssima Trindade)

Instituído por lei municipal em 2006, o Museu Histórico e Arqueológico Joaquim Marcelo Profeta da Cruz abriga um acervo com exposições permanente e temporária. A mostra permanente traz o tema “Vila Bela sem fronteiras”, com abordagem sobre a cultura indígena, obras sacras, heranças africanas e apresentação de sítios arqueológicos em territórios quilombolas da região.

Muito interessante também é a construção secular feita ainda na época dos escravos, as ruínas históricas da antiga Igreja Matriz da cidade de Vila Bela da Santíssima Trindade, que ficam no centro da cidade. É fascinante observar as estruturas da igreja que resistiram por tanto tempo.

Tanto o museu quanto as ruínas ficam na Travessa do Palacio s/n, no Centro de Vila Bela da Santíssima Trindade. Informações: (65) 3259-1313.

• Museu de História Natural Casa Dom Aquino (Cuiabá)

 

Museu de História Natural Casa Dom Aquino em Cuiabá

O Museu de História Natural Casa Dom Aquino é um dos equipamentos culturais da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), em funcionamento sob gestão compartilhada com o Instituto Ecossistemas e Populações Tradicionais (Ecoss).

O museu possui uma exposição permanente de arqueologia e paleontologia, além de uma reserva técnica. A exposição paleontológica apresenta fósseis de animais da região, organizados cronologicamente, representando a evolução biológica através das eras geológicas. Fosseis como o do tatu (Pampatherium humboldti), preguiça gigante (Eremotherium Iaurillardi), dinossauros (saurópoda) e animais marinhos do período que Chapada dos Guimarães foi mar.

Destaque para um novo cenário representativo do homem pré-histórico, composto por um bio lago com cascata, rochas naturais e peixes silvestres da bacia do Rio Cuiabá. O monumento é uma representação do período holoceno, que corresponde aos últimos dez mil anos de evolução. Para melhor retratar a época, foram instaladas no lago, estátuas de barro alusivas ao paleoíndio, em tamanho real, esculpidas pelo artista plástico Junne Fontenele.

O Museus Casa Dom Aquino está localizado na Avenida Beira Rio, nº 2000, bairro Jardim Dom Aquino, Cuiabá. O funcionamento ao público é de terça-feira a sábado, das 8h às 18h. Informações: (65) 3634-4858.

• Museu de Arte Sacra de Mato Grosso (Cuiabá)

O Museu de Arte Sacra de Mato Grosso, o MASMT, foi fundado em 10 de março de 1980. Situa-se no prédio do Seminário Nossa Senhora da Conceição, uma edificação de estilo eclético de 1858 que fica ao lado da Igreja Nossa Senhora do Bom Despacho, uma construção neogótica de 1918.

O passeio ao Museu de Arte Sacra de Mato Grosso já se torna interessante por sua importância arquitetônica, já que é considerado um dos mais importantes monumentos de estilo eclético que exibe combinações de elementos que podem vir da arquitetura clássica, medieval, renascentista, barroca e neoclássica.

Ali foram reunidas diversas peças do período setecentista, remanescentes da antiga Catedral do Bom Jesus de Cuiabá, da Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito, Nossa Senhora dos Passos, acervo pessoal do bispo Dom Francisco de Aquino Corrêa e peças adquiridas por doações particulares. Destaque para os famosos retábulos da antiga Catedral demolida em 1968 e a nova ala de instrumentos musicais da Igreja do Bom Jesus de Cuiabá do período colonial.

O Museu de Arte Sacra de Mato Grosso fica na Praça do Seminário, na Rua Clóvis Hugney, 239, bairro Dom Aquino. Aberto à visitação de quarta-feira a domingo, das 9h às 17h. Outras informações: (65) 3646-9101.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

CIDADES

DasMatas reúne três vozes femininas de MT com trajetória nacional

Publicados

em

Forças femininas se unem e demonstram às potencialidades de suas artes através de sonoridades coletivas. O caminho de cada uma, apesar de muito peculiar, se cruza na ancestralidade e coragem de amplificar suas vozes. Eis que então, surge o show “DasMatas Encontro de Vozes do Cerrado Mato-grossense” na apresentação de Karola Nunes, Nega Lu e Pacha Ana. O projeto foi contemplado pela Lei Emergencial Aldir Blanc e será lançado neste domingo (21) em plataformas digitais.

Em um cenário que mulheres precisam se engajar ainda mais para conseguirem holofotes, as três escolhidas impulsionam suas histórias enquanto artistas independentes, mas também pela evocação de suas raízes, o que entrega ainda mais sentido para à proposta em senso de coletividade ao servir de inspiração para tantas outras.

Gravações e o Engajamento Nacional

Gravado de forma antecipada, o espetáculo estará disponível nas plataformas digitais no Dia Internacional da Luta Contra a Discriminação Racial, 21 de março, que não por acaso – é também tema recorrente nas composições musicais das artistas envolvidas.

As artistas são naturais da cidade de Rondonópolis e, além de cantar, compor, tocar, comandam as próprias carreiras e representam através de suas trajetórias um engajamento nacional. Karola Nunes tem 16 anos de carreira e representou a região Centro-Oeste na Mostra de Música Nacional do Sesc em 2018, foi contemplada pela última edição do Edital CirculaMT da Secretaria Estadual de Cultura em 2017 e ofertou, naquela oportunidade, oficinas pelo Estado, além de gravar seu álbum “Somos Som”, com produção de Gustavo Ruiz, mixagem de Victor Rice e participação de Curumin.

“Apesar de sermos da mesma cidade e se conhecer pelos rolês da cidade, esse encontro em cima do palco nunca tinha acontecido. Demorou, mas a espera valeu a pena. Foi uma delícia. Foi divertido e instigante. Espero que seja o primeiro de muitos”, reflete Karola.

Pacha Ana, também viabilizou seu trabalho por meio de Edital Municipal da Cultura e lançou em 2018, o primeiro disco de Rap feminino do estado, “Omo Oyá”. Em 2019 circulou pelo Sesc no projeto “Arte da Palavra”, levando suas poesias e canções com o espetáculo “Faces: A Poesia Negra Em Mim, Em Nós” a sete estados e quatorze cidades.

“Esse encontro é conexão e ancestralidade. Acredito e admiro todo mundo que participou desse projeto e por isso me senti num ‘reencontro’. Conexão”, acredita Pacha Ana.

Nega Lu, foi convidada pelo Sesc a circular pelos nove estados da Amazônia Legal na Mostra Sesc Amazônia das Artes com o seu show “Minha ancestralidade” em 2019. Em meio à pandemia ainda se apresentou no Festival AmazôniaS Online, produzido pelo Greenpeace Brasil.

“O encontro fluiu da maneira que eu achei que fluiria, e ainda melhor. Foi muito potente pra mim. Acho que estávamos todos na mesma sinergia, na mesma troca. Eram três álbuns, mas parecia ser um”, comenta Nega Lu.

Nesse projeto elas se unem em um show inédito, somando seus repertórios autorais e mesclando os integrantes de suas bandas. Apesar do evento acontecer fisicamente em Cuiabá com todos os cuidados sanitários necessários em gravação, a veiculação para o público será totalmente via internet e possibilita o acesso ao público de outras regiões do país e fora dele.

O show também é pensando para promover acessibilidade utilizando recurso de tradução simultânea em Libras e uma breve audiodescrição. A partir de domingo a apresentação segue no Youtube e Facebook.

A Lei Aldir Blanc em Mato Grosso contempla este projeto através da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer, do Governo de Mato Grosso, da Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal, Pátria Amada Brasil.

Ficha técnica

Karola Nunes – voz, guitarra e direção musical
Nega Lu – voz e violão
Pacha Ana – voz
Augusto Krebs – guitarra
Paulinho Nascimento – Baixo
Lênin Correa – Teclado
Wilson Jr. – Bateria
Bruno El Joe – Sintetizadores
Juliane Grisólia – Percussão
Iluminação: Karina Figueredo
Técnico de Som: Wel Ribeiro
Produção: Larissa Sossai
Assessoria de Imprensa: Mirella Duarte

Serviço
DasMatas Encontro de Vozes do Cerrado Mato-grossense
Data: 21 de março (domingo)
Para receber mais novidades sobre o projeto basta acessar – https://biolinky.co/dasmatas

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA