CUIABÁ

Cultura e Lazer

Concerto da Orquestra CirandaMundo celebra os 300 anos de Cuiabá

Publicados

Cultura e Lazer

Evento marca a abertura da Temporada 2019 da Orquestra.

Do barroco ao moderno, passando pela música popular e regional, o repertório reservado para a abertura da temporada exibe peças de Edward Elgar, Johann Sebastian Bach, Arturo Márquez, Jether Garotti, Bruno Avoglia e Kleberson Calanca

A poucos dias do tricentenário de Cuiabá, na próxima quinta-feira (28), sob regência do maestro Murilo Alves, a Orquestra Sinfônica CirandaMundo sobe ao palco do Teatro do Cerrado Zulmira Canavarros para o concerto de abertura da Temporada 2019. Marcada para 20h, a apresentação intitulada “Cuiabá, Cuiabá 300 Anos” é uma homenagem do Instituto Ciranda aos três séculos de história da capital mato-grossense.

Sobre o conceito festivo do repertório, o maestro Murilo Alves destaca Pompa e Circunstância, do compositor inglês Edward Elgar, escolhida para a abertura. “Um verdadeiro hino para ocasiões solenes, tocada ao redor do mundo para festejar momentos muito especiais, como é o nosso caso, que estamos celebrando o aniversário de Cuiabá”.

Do barroco ao moderno, passando pela música popular e regional, o repertório reservado para a abertura da temporada exibe ainda peças do alemão Johann Sebastian Bach, do mexicano Arturo Márquez, de Jether Garotti, Bruno Avoglia e Kleberson Calanca.

Outro destaque da noite fica por conta da Rapsódia Para Uma Cidade, uma suntuosa homenagem ao aniversário de Cuiabá, obra escrita pelo maestro Murilo Alves, inspirada nas singularidades da Cidade Verde. “O concerto está organizado em dois momentos, a primeira parte dedicada à música tradicional de orquestra e, em seguida, um repertório particular que combina o rasqueado cuiabano com a música latino-americana. Posso adiantar que será um concerto inesquecível. Uma honra poder celebrar a nossa capital com música”, adianta Murilo.

Há 16 anos ininterruptos, o Instituto Ciranda desenvolve um programa de educação musical dedicado a crianças e adolescentes em idade escolar. Em 2019, serão mais de mil jovens atendidos em oito polos de ensino distribuídos pelo Estado. São eles: Cuiabá (bairros Boa Esperança e Dr. Fábio), Poconé, Campo Verde, Várzea Grande (Bairro São Matheus) e Rondonópolis, além dos polos de João Carro e Água Fria, zona rural de Chapada dos Guimarães.

Parte das primeiras gerações de instrumentistas formada pelo Instituto Ciranda, hoje, ensina para novas gerações de músicos teoria e técnicas, leitura de partituras e prática em conjunto. “Desde sua criação, em 2003, a instituição vem transformando vidas ao tempo em que forma novas plateias, novos instrumentistas, professores e cidadãos”, comemora o maestro Murilo Alves, presidente do Instituto.

O Instituto Ciranda – Música e Cidadania é um dos 32 Pontos de Cultura apoiados pelo Governo de Mato Grosso via Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer.

O solista

O jovem oboísta Laerte Tavares, solista principal da noite, será o destaque na exibição de Pompa e Circunstância, reservada para abertura da temporada. Nascido em Várzea Grande, iniciou seus estudos de música com o saxofone, logo aos dez anos de idade, na Igreja Congregação Cristã do Brasil, com o professor Diego Monteiro.

Em 2013, ingressou no Instituto Ciranda e, naquele mesmo ano, adotou o oboé como seu instrumento principal, na turma da professora Jizele André. Laerte é um dos muitos jovens que cresceram e se profissionalizaram com o programa pedagógico do Instituto Ciranda. Atualmente, continua se aperfeiçoando no instrumento da família das madeiras como aluno do professor Ricardo Barbosa (OSESP) e já participou de festivais pelo Brasil e exterior, integrando importantes orquestras.

“Composta por estudantes e professores do Instituto Ciranda, a Orquestra Sinfônica CirandaMundo integra os jovens que mais se destacam durante as aulas e os proporciona experiências profissionais e práticas coletivas, oportunizando assim a possibilidade de fazer parte de outras grandes orquestras, Brasil a fora, como é o caso do Laerte”, conclui Murilo.

Repertório

Edward Elgar (1857 – 1934)

  • Pomp and Circumstance
    March Nº1 in D major

Johann Sebastian Bach (1685 – 1750)

  • Cantata BWV 156
    I- Sinfonia ‘Arioso’

Bruno Avoglia (1991)

  • Revoada

Murilo Alves (1975)

  • Rapsódia para uma cidade

Kleberson Calanca (1979)

  • Fronteiras

Arturo Márquez (1950)

  • La conga del fuego nuevo

Jether Garotti (1966)

  • Danças cuiabanas
SERVIÇOS

Abertura da Temporada 2019 da Orquestra Sinfônica CirandaMundo
Data: 28/03
Horário: 20h
Quem pode participar: Livre para todas as idades
Ingresso: 2kg de alimento
Outras informações: (65) 3623-1239

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

CIDADES

DasMatas reúne três vozes femininas de MT com trajetória nacional

Publicados

em

Forças femininas se unem e demonstram às potencialidades de suas artes através de sonoridades coletivas. O caminho de cada uma, apesar de muito peculiar, se cruza na ancestralidade e coragem de amplificar suas vozes. Eis que então, surge o show “DasMatas Encontro de Vozes do Cerrado Mato-grossense” na apresentação de Karola Nunes, Nega Lu e Pacha Ana. O projeto foi contemplado pela Lei Emergencial Aldir Blanc e será lançado neste domingo (21) em plataformas digitais.

Em um cenário que mulheres precisam se engajar ainda mais para conseguirem holofotes, as três escolhidas impulsionam suas histórias enquanto artistas independentes, mas também pela evocação de suas raízes, o que entrega ainda mais sentido para à proposta em senso de coletividade ao servir de inspiração para tantas outras.

Gravações e o Engajamento Nacional

Gravado de forma antecipada, o espetáculo estará disponível nas plataformas digitais no Dia Internacional da Luta Contra a Discriminação Racial, 21 de março, que não por acaso – é também tema recorrente nas composições musicais das artistas envolvidas.

As artistas são naturais da cidade de Rondonópolis e, além de cantar, compor, tocar, comandam as próprias carreiras e representam através de suas trajetórias um engajamento nacional. Karola Nunes tem 16 anos de carreira e representou a região Centro-Oeste na Mostra de Música Nacional do Sesc em 2018, foi contemplada pela última edição do Edital CirculaMT da Secretaria Estadual de Cultura em 2017 e ofertou, naquela oportunidade, oficinas pelo Estado, além de gravar seu álbum “Somos Som”, com produção de Gustavo Ruiz, mixagem de Victor Rice e participação de Curumin.

“Apesar de sermos da mesma cidade e se conhecer pelos rolês da cidade, esse encontro em cima do palco nunca tinha acontecido. Demorou, mas a espera valeu a pena. Foi uma delícia. Foi divertido e instigante. Espero que seja o primeiro de muitos”, reflete Karola.

Pacha Ana, também viabilizou seu trabalho por meio de Edital Municipal da Cultura e lançou em 2018, o primeiro disco de Rap feminino do estado, “Omo Oyá”. Em 2019 circulou pelo Sesc no projeto “Arte da Palavra”, levando suas poesias e canções com o espetáculo “Faces: A Poesia Negra Em Mim, Em Nós” a sete estados e quatorze cidades.

“Esse encontro é conexão e ancestralidade. Acredito e admiro todo mundo que participou desse projeto e por isso me senti num ‘reencontro’. Conexão”, acredita Pacha Ana.

Nega Lu, foi convidada pelo Sesc a circular pelos nove estados da Amazônia Legal na Mostra Sesc Amazônia das Artes com o seu show “Minha ancestralidade” em 2019. Em meio à pandemia ainda se apresentou no Festival AmazôniaS Online, produzido pelo Greenpeace Brasil.

“O encontro fluiu da maneira que eu achei que fluiria, e ainda melhor. Foi muito potente pra mim. Acho que estávamos todos na mesma sinergia, na mesma troca. Eram três álbuns, mas parecia ser um”, comenta Nega Lu.

Nesse projeto elas se unem em um show inédito, somando seus repertórios autorais e mesclando os integrantes de suas bandas. Apesar do evento acontecer fisicamente em Cuiabá com todos os cuidados sanitários necessários em gravação, a veiculação para o público será totalmente via internet e possibilita o acesso ao público de outras regiões do país e fora dele.

O show também é pensando para promover acessibilidade utilizando recurso de tradução simultânea em Libras e uma breve audiodescrição. A partir de domingo a apresentação segue no Youtube e Facebook.

A Lei Aldir Blanc em Mato Grosso contempla este projeto através da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer, do Governo de Mato Grosso, da Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal, Pátria Amada Brasil.

Ficha técnica

Karola Nunes – voz, guitarra e direção musical
Nega Lu – voz e violão
Pacha Ana – voz
Augusto Krebs – guitarra
Paulinho Nascimento – Baixo
Lênin Correa – Teclado
Wilson Jr. – Bateria
Bruno El Joe – Sintetizadores
Juliane Grisólia – Percussão
Iluminação: Karina Figueredo
Técnico de Som: Wel Ribeiro
Produção: Larissa Sossai
Assessoria de Imprensa: Mirella Duarte

Serviço
DasMatas Encontro de Vozes do Cerrado Mato-grossense
Data: 21 de março (domingo)
Para receber mais novidades sobre o projeto basta acessar – https://biolinky.co/dasmatas

COMENTE ABAIXO:

Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA