CUIABÁ

PRIMEIRA-DAMA MILIONÁRIA

Esposa de Pátio declara patrimônio sete vezes maior que o dele

Neuma é pré-candidata a deputada federal e almeja chegar ao Congresso Nacional, coisa que o marido, em longa carreira, nunca conseguiu.

Publicados

ESPIA AÍ

A primeira-dama, pela primeira vez, encara as urnas com discurso lulista e apoio do marido.

Um marido “pobre” com uma mulher milionária. Essa frase resume a situação econômica da família do prefeito de Rondonópolis, Zé Carlos do Pátio (PSB), que costuma causar risos coletivos ao declarar seus bens à Justiça Eleitoral, a cada vez que se candidata.

Enquanto Pátio expôs R$ 178.899,00 de patrimônio (incluindo um Fusca 1983 de menos de R$ 2,5 mil), em 2020, quando se reelegeu prefeito da maior cidade do interior de Mato Grosso, a primeira-dama, Neuma de Morais (PSB), oficializou ter R$ 1,3 milhão, nos últimos dias.

Neuma é pré-candidata a deputada federal e almeja chegar ao Congresso Nacional, coisa que o marido, em sua extensa carreira política, nunca conseguiu. O prefeito anulou projetos de aliados para lançar a mulher.

O sonho de Pátio, segundo aliados mais próximos, é concorrer ao Senado Federal, em 2026, com as bençãos de Lula (PT), que em 2022 é pré-candidato a Presidência da República com apoio fervoroso do gestor de Rondonópolis.

Iniciante na condição de candidata, Neuma já possui um histórico longo de vivência no meio político, mas resolveu se soltar mais e se posicionar, utilizando as redes sociais, nos últimos anos, virando uma espécie de “petista não-filiada”.

O casal, inclusive, é defensor de uma guinada à esquerda do PSB, que segue seguro no centro, em Mato Grosso, na base do governador, Mauro Mendes (UNIÃO BRASIL), em virtude de preocupações pragmáticas de Max Russi (PSB), líder estadual da sigla.

Leia Também:  Bezerra pede humildade e alerta perigo do "já ganhou" de Mauro

Gosta de Lula, mas não do PT de MT

Não é inverdade, contudo, que Pátio se aproximou muito do governador, nos últimos meses, e não demonstra nenhum apreço mais evidente a uma candidatura esquerdista ao Palácio Paiaguás.

Isto se deve, dentre outras coisas, porque o prefeito de Rondonópolis foi colocado em seu lugar pelos petistas de Mato Grosso, quando tomou à frente e lançou o Comitê Pró-Lula, em Cuiabá, posicionando-se como o maior cabo eleitoral do ex-presidente no estado.

O partido de Lula, no estado comandado por Valdir Barranco (PT), não gostou do protagonismo do prefeito, que naquela ocasião sequer tinha se filiado ao PSB, e cortou as asas de Pátio, que agora está focado em dar a vitória ao presidenciável petista em sua cidade.

Números confusos

Segundo Pátio, Lula lidera em Rondonópolis, de acordo com uma pesquisa de consumo interno que ele nunca mostrou pra ninguém. A afirmação do prefeito, entretanto, é conflituosa, sobretudo se analisada em comparação com os números dos últimos pleitos.

Leia Também:  Mauro declara ter perdido R$ 4 milhões em bens como governador

O próprio Pátio, reconhecidamente um político de esquerda e lulista declarado, venceu há dois anos, mas não teve a maioria dos eleitores da cidade em seu apoio.

Se somados, os votos de Cláudio Ferreira (DC), Thiago Muniz (UB) e Luizão (REPUBLICANOS) (todos de centro-direita, derrotados em 2020) indicam um eleitorado numericamente maior do que aquele que elegeu o atual prefeito, ou seja, se a oposiçaõ não tivesse se dividido ou se a cidade tivesse um segundo turno (condição para eleitorado acima de 200 mil votantes), provavelmente o político atualmente no PSB não se reelegeria.

Outro elemento que põe em questionamento a afirmação de Pátio de que Lula lidera na cidade são os números do próprio Bolsonaro. Em 2018, o atual presidente teve mais de 66 mil rondonopolitanos em seu apoio nas urnas, algo em torno de 63% dos votos válidos no primeiro turno e mais de 68% da preferência no segundo turno, contra Fernando Haddad (PT).

Segundo pesquisas registradas na Justiça Eleitoral, diferente dessa que Pátio diz possuir, Mato Grosso é um dos estados que Bolsonaro menos reduziu votação e, proporcionalmente, é onde exerce maior liderança. A vitória de Lula em Rondonópolis pode até ser possível, mas é improvável.

 

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ESPIA AÍ

Mauro é apontado com um “aliado” que esconde Bolsonaro

Mauro tentou explicar a questão à imprensa nacional e, em outras palavras, disse que entende a página como dele

Publicados

em

Governador apostou no pragmatismo para não correr riscos sendo adversário de Bolsonaro

“A rede é pessoal e não tenho focado em falar de política partidária, mas ainda assim temos postagens com o presidente. Nossa campanha será baseada nos resultados da gestão e nas boas perspectivas de presente e futuro. Nosso apoio ao presidente é inegável e está sendo manifestado respeitosamente de diversas formas”, afirmou.

Em grupos bolsonaristas, muita gente questionou quais seriam as formas “respeitosas” que o governador estaria procedendo para ajudar o presidente em algo. Nas últimas semanas, aliás, Mauro fez exatamente ao contrário, ao ridicularizar o questionamento de Bolsonaro sobre a eficácia plena das urnas eletrônicas. 

Leia Também:  Bezerra pede humildade e alerta perigo do "já ganhou" de Mauro

O governador de Mato Grosso chegou dizer em entrevista que não se sente adversário de nenhum candidato a presidente e disse até que não via problemas se o petista Lula vencesse o pleito. 

Em outra oportunidade, quando forçava um inexplicável “palanque aberto” ao Senado Federal, Mauro não gostou do nariz torcido de Bolsonaro à proposta e sugeriu que o mandatário nacional focasse em cuidar da sua própria reeleição.     

Recentemente, o deputado federal, José Medeiros (PL), vice-líder de Bolsonaro no Congresso Nacional, comparou Mendes ao ex-governador de São Paulo, João Dória (PSDB), e previu o governador abandonando a aliança com o presidente tão logo se beneficie de sua força eleitoral.

Na avaliação de Medeiros, Mauro só se juntou ao PL para neutralizar o nascimento de um projeto ao Governo do Estado que nascesse realmente bolsonarista e viesse a ameaçar sua reeleição.

“Passou a pandemia inteira acusando o presidente, ao lado de governadores do PT. Enquanto isso o presidente despejava bilhões de reais em Mato Grosso”, comentou Medeiros.

Leia Também:  Mauro é apontado com um "aliado" que esconde Bolsonaro
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA