CUIABÁ

FAKE NEWS

Fábio Garcia e Mauro Mendes mentem na imprensa em ano eleitoral

Muitos “milagres” ocorrem em ano eleitoral, mas para o lamento de Fábio e do governador a informação, em era de rede social, democratizou-se

Publicados

ESPIA AÍ

Atualmente no cargo de senador, após licença de Jayme, Fabinho é o nome de Mauro Mendes à Câmara Federal, em 2022

Senador em exercício e pré-candidato a deputado federal, com apoio direto do governador, Mauro Mendes (UB), Fábio Garcia (UB) lançou nota à imprensa, nesta quarta-feira (29), anunciando uma pseudodestinação de emenda parlamentar de R$ 20 milhões, por meio de seu trabalho, para asfaltar 11 bairros de Cuiabá.

Ainda no texto, é ressaltado que Mauro já vai autorizar licitação, a toque de caixa, no intuito de reforçar que o recurso a ser aplicado é fruto mesmo de um trabalho de Garcia, que ainda está no mandato. O MINUTO MT levantou, entretanto, que é simplesmente impossível que a informação corresponda à verdade por vários motivos, vamos a eles:

  • Primeiro é que a lei orçamentária relativa ao exercício de 2022 delimitou, ainda no fim de 2021, que a cota individual de cada deputado federal ou senador, neste ano, para a indicação de emenda seria, no máximo, R$ 17,6 milhões;
  • Atualmente, não está aberto o prazo de indicações;
  • Fábio é meramente um suplente, que assumiu por quatro meses, tendo a prerrogativa de envio unicamente o titular da cadeira, ou seja, o senador Jayme Campos (UB);
  • Um dos bairros citados por Garcia como escolhido para ser beneficiado, o Parque Amperco, já foi totalmente contemplado, na mesma finalidade (asfalto), por investimento municipal, que, inclusive, já está sendo executado;
  • Não cabe ao senador fazer qualquer tipo de direcionamento dentro do orçamento estadual, caso seja essa a fonte de recurso, por mais que este tenha relacionamento estreito com o governador. A tarefa em questão é, constitucionalmente, de deputados estaduais.
Leia Também:  Mauro declara ter perdido R$ 4 milhões em bens como governador

Muitos “milagres” ocorrem em ano eleitoral, mas para o lamento de Fábio e do governador a informação, em era de rede social, democratizou-se e a construção de realidades para facilitar discursos eleitorais já não é mais um caminho certeiro.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ESPIA AÍ

Mauro é apontado com um “aliado” que esconde Bolsonaro

Mauro tentou explicar a questão à imprensa nacional e, em outras palavras, disse que entende a página como dele

Publicados

em

Governador apostou no pragmatismo para não correr riscos sendo adversário de Bolsonaro

“A rede é pessoal e não tenho focado em falar de política partidária, mas ainda assim temos postagens com o presidente. Nossa campanha será baseada nos resultados da gestão e nas boas perspectivas de presente e futuro. Nosso apoio ao presidente é inegável e está sendo manifestado respeitosamente de diversas formas”, afirmou.

Em grupos bolsonaristas, muita gente questionou quais seriam as formas “respeitosas” que o governador estaria procedendo para ajudar o presidente em algo. Nas últimas semanas, aliás, Mauro fez exatamente ao contrário, ao ridicularizar o questionamento de Bolsonaro sobre a eficácia plena das urnas eletrônicas. 

Leia Também:  Bezerra pede humildade e alerta perigo do "já ganhou" de Mauro

O governador de Mato Grosso chegou dizer em entrevista que não se sente adversário de nenhum candidato a presidente e disse até que não via problemas se o petista Lula vencesse o pleito. 

Em outra oportunidade, quando forçava um inexplicável “palanque aberto” ao Senado Federal, Mauro não gostou do nariz torcido de Bolsonaro à proposta e sugeriu que o mandatário nacional focasse em cuidar da sua própria reeleição.     

Recentemente, o deputado federal, José Medeiros (PL), vice-líder de Bolsonaro no Congresso Nacional, comparou Mendes ao ex-governador de São Paulo, João Dória (PSDB), e previu o governador abandonando a aliança com o presidente tão logo se beneficie de sua força eleitoral.

Na avaliação de Medeiros, Mauro só se juntou ao PL para neutralizar o nascimento de um projeto ao Governo do Estado que nascesse realmente bolsonarista e viesse a ameaçar sua reeleição.

“Passou a pandemia inteira acusando o presidente, ao lado de governadores do PT. Enquanto isso o presidente despejava bilhões de reais em Mato Grosso”, comentou Medeiros.

Leia Também:  Mauro declara ter perdido R$ 4 milhões em bens como governador
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA