CUIABÁ

ATO FALHO

Galli iguala "Fora Bolsonaro" com "Fora Lula" e é esculachado por Cattani

Victório, que se apresenta como “amigo do presidente”, saiu em defesa de sindicalistas e atacou, de maneira surpreendente, o bolsonarista

Publicados

ESPIA AÍ

Os dois trocaram farpas nas redes sociais, mas o saldo acabou negativo para Galli

O pré-candidato a deputado federal, Victório Galli (PTB), que segundo os bastidores estaria até avaliando uma “saída honrosa” em uma candidatura pouco promissora para o Governo do Estado, ao ver que sua legenda e ele próprio não decolam e tem poucas chances de vitória, em outubro, decidiu apostar alto em busca de holofotes e foi pra cima de Gilberto Cattani (PL), atual deputado estadual e um dos mais bem avaliados bolsonaristas do estado, no momento.

Galli gravou vídeo e fez algumas falas confusas, criticando os argumentos de Cattani, que justificou publicamente o motivo de ter votado a favor do arquivamento do Projeto de  Decreto Legislativo 1/2022, que, na prática, daria 4,19% da Revisão Geral Anual (RGA) de 2018 aos servidores estaduais. Gilberto fez referências depreciativas a ação de sindicalistas e criticou cartazes “Fora Bolsonaro”, trazidos por manifestantes que queriam a aprovação do Decreto Legislativo.

Surpreendentemente, Galli, que se apresenta como “amigo de Bolsonaro”, saiu em defesa dos sindicalistas, núcleo majoritário e reconhecidamente um reduto eleitoral de esquerda, e afirmou que não condena faixa de “Fora Bolsonaro”, já que no passado ele mesmo levantou faixas “Fora Lula” e “Fora Dilma”. A comparação de Galli, colocando o atual presidente e os dois petistas “no mesmo balaio” foi a senha para Cattani esculachar Victório.

Leia Também:  Fábio Garcia e Mauro Mendes mentem na imprensa em ano eleitoral

“A população brasileira foi gritar “Fora Dilma”? “Fora Lula”? Porque eles assaltaram o nosso país. E como você compara isso com o “Fora Bolsonaro”. Eles (Lula e Dilma) destruíram as nossas estatais, destruíram a nossa pátria, investiram em repúblicas comunistas fora do país e não investiram no povo daqui (…) Essa cambada de vagabundo que se apoderou do nosso país naquela época. Agora o senhor comparar isso com o “Fora Bolsonaro”? Bolsonaro é um homem que não rouba e não deixa roubar. O senhor chama de “seu amigo” e faz uma comparação dessa… Vou dizer, perdeu uma chance muito boa de ficar calado, jamais esperava isso do senhor”, lamentou Cattani.

Victório, que não conseguiu se eleger deputado federal, mesmo sendo líder do PSL, então partido de Bolsonaro, em 2018, na contramão do que ocorreu praticamente em todos os estados do Brasil, naquele ano, podia dormir ser essa.

Veja as falas de cada um:

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ESPIA AÍ

Emanuel cutuca Michelly e marido, por repasse a reality de Jajah

Pinheiro ironizou Michelly e disse acreditar que a vereadora está revoltada com tamanho descaso com recursos públicos

Publicados

em

Prefeito enfatizou que Secretaria de Cultura, comandada por Jefferson Neves, foi a responsável por envio de dinheiro que bancou "Casa Digital"

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), não perdeu a oportunidade e cutucou, em sua live semanal, o secretário de cultura estadual, Jefferson Neves, marido da vereadora, Michelly Alencar (UB), que faz oposição ferrenha ao seu governo no legislativo municipal.

O motivo da alfinetada do gestor são os R$ 450 mil, destinados pela pasta de Jefferson, ao famigerado reality show do ex-deputado estadual, Jajah Neves, com “influencers” mato-grossenses, em Várzea Grande.

Pinheiro ironizou Michelly e disse acreditar que a vereadora está revoltada com tamanho descaso com recursos públicos. “Deve ter se manifestado, acredito eu, indignada com este festival de horror, que até agora está se apresentando a farra com dinheiro público na Secretaria de Cultura do Estado”, comentou o prefeito.

A polêmica emenda de Eduardo Botelho (UB), repassada ao Governo do Estado, que conveniou e custeou a produção de Jajah virou notícia nacional. O UOL publicou que a “Casa Digital” confinaria dez pessoas concorrendo a um prêmio de R$ 25 mil.

De maneira estranha, o próprio Botelho veio a público criticar a si mesmo, dizendo que comprou “gato por lebre”. Segundo o parlamentar, a promessa lhe feito era que os potenciais turísticos e culturais de Mato Grosso seriam divulgados por todo país e até fora dele. Todavia, chama atenção a falta de cuidado do deputado em dar o “ok”, sobretudo pela cifra envolvida.

Leia Também:  Fábio Garcia e Mauro Mendes mentem na imprensa em ano eleitoral

Em ano eleitoral e pré-candidato à reeleição, Botelho já até acionou o Ministério Público Estadual – MPE e pediu que sua emenda seja investida e, se possível, o valor devolvido aos cofres públicos. Até mesmo a primeira-dama do estado, Virgínia Mendes, mostrou que não engoliu a justificativa do deputado, nas redes sociais.

Em suas redes sociais, Jajah também gravou vídeo e ressaltou que, embora tenha sido um reality, envolvendo premiação para o vencedor, e confinando um grupo de pessoas, não se tratou de um “BBB de Mato Grosso”.

 

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA