CUIABÁ

DUPLA LL

Lula liga para Lúdio e o "intima" a disputar o Governo de MT

Apesar da resistência do aliado, Lula vê no médico o perfil ideal para abrir caminhos importantes para seu projeto em solo mato-grossense.

Publicados

ESPIA AÍ

Atual deputado estadual teria resistido em trocar reeleição praticamente certa no parlamento estadual por projeto "kamikaze" no Executivo

O ex-presidente Lula (PT), pré-candidato ao Palácio do Planalto, ligou para o deputado estadual Lúdio Cabral (PT), nesta semana, pedindo que ele seja candidato a governador em Mato Grosso.

O ex-presidente, embora considere Mato Grosso um terreno bolsonarista e de vitória praticamente impensável de sua parte, quer um palanque relevante no estado, que consiga potencializar as expectativas de votos.

Na ligação com o “chefe”, Lúdio teria explicado que possui plenas condições de se reeleger ao Parlamento. Lula, todavia, vê no médico o perfil ideal para abrir caminhos importantes para seu projeto em solo mato-grossense.
Nesta semana, o atual prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), que por pouco não renunciou para entrar na disputa, declarou que recebeu uma ligação da presidente nacional do PT, Gleisi Hoffman, lhe dando o aval de Lula para sua entrada no projeto Paiaguás. Pinheiro, contudo, preferiu seguir no comando da capital.
COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Empresa escolhida para BRT de Mauro Mendes foi alvo da Lava Jato
Propaganda

ESPIA AÍ

MPF pede 60 anos de prisão a ex-secretário de Mauro Mendes

Conforme a investigação, Borgato, que esteve no Governo de MT até março, facilitaria a entrada de cocaína da Bolívia em Mato Grosso

Publicados

em

Borgato é acusado de tráfico internacional de drogas em conjunto com o lobista Rowles Magalhães Pereira da Silva e a doleira Nelma Kodama. 

O Ministério Público Federal recomenda a condenação a 60 de prisão para Nilton Borgato, que comando a pasta de Ciência e Tecnologia do Governo Mauro Mendes (UB), até o fim do último mês de maio. A mesma sentença foi recomendada ao lobista Rowles Magalhães Pereira da Silva e a doleira Nelma Kodama. 

Os três integrariam uma quadrilha de tráfico internacional de drogas, com destino em Portugal. A denúncia foi protocolada na última quarta-feira (18), na 2ª Vara Federal Criminal da Bahia, e também pede o pagamento de R$ 139,5 milhões em danos coletivos.  

Todos foram presos na Operação Descobrimento, da Polícia Federal, em abril, como integrantes de uma organização criminosa que levava cocaína do Brasil para território europeu por meio de aviões. Os procuradores que assinam a denúncia afirmam que os investigados tinham o papel de comprar a droga e fretar voos.

Conforme a investigação, Borgato facilitaria a entrada de cocaína da Bolívia em Mato Grosso e o transporte até Jundiaí (SP). De lá, era levada para Salvador (BA) de onde partiria para Portugal. “À época dos fatos [2021], os denunciados [Ricardo Agostinho e Rowles Magalhães] exerciam funções típicas de proprietário da empresa de fretamento Omni Aviação e Tecnologia S.A”, diz trecho da denúncia. 

Leia Também:  MPF pede 60 anos de prisão a ex-secretário de Mauro Mendes

Nilton Borgato e Nelma Kodama são citados pelos procuradores como “os responsáveis pela intermediação entre fornecedores da droga e os transportadores e o contato deles com os destinatários da droga na Europa”. A operação da Polícia Federal se baseia na investigação sobre a origem e o destino de mais de meia tonelada de cocaína apreendida no aeroporto de Salvador, escondida na fuselagem de um jato, em fevereiro de 2021.

O esquema passaria por reuniões entre Borgato e Rowles em hotéis em Cuiabá, na mesma época em Nilton exercia o cargo de secretário. Desesperado, em virtude do caso ter sido evidenciado em ano que busca a reeleição, o governador, Mauro Mendes (UB), já tratou de vir a público e dizer que não tem nada com o caso, ressaltando que é um problema pessoal do aparente ex-aliado.

Nelma Kodama, doleira conhecida no Brasil por envolvimento na investigação da Lava Jato, foi presa em Portugal pela mesma autorização judicial, no dia 19 de abril.  Além deles foram presas outras seis pessoas, todas denunciadas pelo Ministério Público Federal – Ricardo Agostinho, Cláudio Rocha Júnior, Marcelo Mendonça de Lemos (Gordo), Marcelo Lucena da Silva, Marcos Paulo Barbosa Lopes (Papito) e Fernando de Souza Honorato. 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA