CUIABÁ

PEGOU MAL

Presidente da COMADEMAT já nomeou filho em gabinete de Rezende

Líder religioso assinou documento, no qual sinaliza o deputado estadual como o escolhido da Assembleia de Deus para as eleições 2022

Publicados

ESPIA AÍ

Agripino e Rezende possuem relacionamento pessoal estreito

A divulgação de um documento oficial de líderes da Assembleia de Deus de Mato Grosso citando o veterano deputado estadual e pré-candidato à reeleição, Sebastião Rezende (UB), como o nome escolhido pelo grupo ao legislativo estadual, em 2022, pegou de surpresa outros pré-candidatos evangélicos ao mesmo cargo e desenrolou uma série de fatos que indicam possíveis interesses pessoais norteando o posicionamento.

Isto porque o homem que assinou o famigerado documento, o presidente da Convenção dos Ministros das Assembleias de Deus do Estado de Mato Grosso – COMADEMAT, pastor João Agripino de França, nutre relacionamento mais do que estreito, costuma voar pelo estado no mesmo avião de Rezende e já emplacou até o próprio filho, o jovem João Felipe de Souza de França, em um cargo no gabinete do deputado, entre 2019 e 2020.

Agripino e Rezende já voaram juntos para realizar eventos religiosos/políticos juntos

A divulgação do documento focalizando unicamente em Rezende, enquanto cita, por exemplo, mais de um nome ao cargo de deputado federal – Victório Galli (PTB) e Abílio Brunini (PL) – teria sido fruto de uma articulação do veterano político junto a Agripino, segundo apurado, em uma clara tentativa de pressionar líderes assembleianos para “fechar com Sebastião” no estado e, naturalmente, arrebanhar votos evangélicos.

O documento, de maneira estranha, ignorou outros potenciais nomes de pré-candidatos dentro da igreja

A divulgação do documento da COMADEMAT foi ainda mais estranha à comunidade religiosa, sobretudo porque na finalização da 76ª Convenção de Ministros da Assembleia de Deus, realizada no Grande Templo, em Cuiabá, no último fim de semana, Sebastião não foi apontado como o único caminho para o legislativo estadual, pelo contrário, surgiu ao público ao lado de outros pré-candidatos.

Leia Também:  Emanuel cutuca Michelly e marido, por repasse a reality de Jajah

Na ocasião, que ocorreu no dia 17 de junho, outros nomes foram apresentados para o público presente, entre eles o pastor Jackson Messias (PTB) e o próprio Thiago Silva (MDB), que assim como Rezende já é deputado estadual. A igreja ainda conta com outros postulantes ao cargo, como Horas depois, no entanto, o documento foi oficializado apenas com o candidato do União Brasil – UB, criando o ponto de interrogação.

Rezende e Agripino percorrendo Mato Grosso

O núcleo evangélico ainda possui outros potenciais nomes em ascensão política, como o empresário, Cláudio Ferreira (PTB), o Paisagista, Chico Guarnieri, também do PTB, dentre outros.

Histórico

Rezende tem na extensa carreira fatos polêmicos que o atrelam até mesmo à corrupção. Ele foi delatado pelo ex-presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso – ALMT, José Riva, em 2020, que o acusou de pegar um total de R$ 7,5 milhões entre “mensalinhos” e propina.

Sebastião “sobreviveu” ao desgaste e tenta, neste ano, garantir o sexto mandato, que o faria completar 24 anos de parlamento, ultrapassando em tempo o próprio Riva, que liderou diversos esquemas de saqueamento dos cofres públicos por 20 anos na ALMT, boa parte deles como seu presidente.

Leia Também:  Fábio Garcia e Mauro Mendes mentem na imprensa em ano eleitoral

 

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ESPIA AÍ

Emanuel cutuca Michelly e marido, por repasse a reality de Jajah

Pinheiro ironizou Michelly e disse acreditar que a vereadora está revoltada com tamanho descaso com recursos públicos

Publicados

em

Prefeito enfatizou que Secretaria de Cultura, comandada por Jefferson Neves, foi a responsável por envio de dinheiro que bancou "Casa Digital"

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), não perdeu a oportunidade e cutucou, em sua live semanal, o secretário de cultura estadual, Jefferson Neves, marido da vereadora, Michelly Alencar (UB), que faz oposição ferrenha ao seu governo no legislativo municipal.

O motivo da alfinetada do gestor são os R$ 450 mil, destinados pela pasta de Jefferson, ao famigerado reality show do ex-deputado estadual, Jajah Neves, com “influencers” mato-grossenses, em Várzea Grande.

Pinheiro ironizou Michelly e disse acreditar que a vereadora está revoltada com tamanho descaso com recursos públicos. “Deve ter se manifestado, acredito eu, indignada com este festival de horror, que até agora está se apresentando a farra com dinheiro público na Secretaria de Cultura do Estado”, comentou o prefeito.

A polêmica emenda de Eduardo Botelho (UB), repassada ao Governo do Estado, que conveniou e custeou a produção de Jajah virou notícia nacional. O UOL publicou que a “Casa Digital” confinaria dez pessoas concorrendo a um prêmio de R$ 25 mil.

De maneira estranha, o próprio Botelho veio a público criticar a si mesmo, dizendo que comprou “gato por lebre”. Segundo o parlamentar, a promessa lhe feito era que os potenciais turísticos e culturais de Mato Grosso seriam divulgados por todo país e até fora dele. Todavia, chama atenção a falta de cuidado do deputado em dar o “ok”, sobretudo pela cifra envolvida.

Leia Também:  Emanuel cutuca Michelly e marido, por repasse a reality de Jajah

Em ano eleitoral e pré-candidato à reeleição, Botelho já até acionou o Ministério Público Estadual – MPE e pediu que sua emenda seja investida e, se possível, o valor devolvido aos cofres públicos. Até mesmo a primeira-dama do estado, Virgínia Mendes, mostrou que não engoliu a justificativa do deputado, nas redes sociais.

Em suas redes sociais, Jajah também gravou vídeo e ressaltou que, embora tenha sido um reality, envolvendo premiação para o vencedor, e confinando um grupo de pessoas, não se tratou de um “BBB de Mato Grosso”.

 

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA