CUIABÁ

PREVALECEU O BOM SENSO

Rondonópolis inicia cursinho gratuito que politiqueiros tentaram barrar

A formação educacional preparatória foi criada por meio de emenda parlamentar do deputado Thiago Silva e foi atacada por adversários

Publicados

ESPIA AÍ

Jovem parlamentar, em virtude do seu promissor potencial, é alvo da fúria de veteranos

Iniciou nesta segunda-feira (25) as aulas do Cursinho Pré- Vestibular Professora Vilma Moreira, em Rondonópolis. A criação do cursinho foi idealizada pelo deputado estadual, Thiago Silva (MDB), que destinou emenda para a Unemat e Faesp coordenarem o projeto gratuito que atenderá centenas de pessoas.

O cursinho Professora Vilma será realizado em 3 polos em Rondonópolis: Escola Elizabeth Magalhães no Jardim Atlântico, Escola Amélia de Oliveira no Parque Universitário e Domingos Aparecido Santos no Conjunto São José. A formação educacional precisou vencer várias barreiras para virar realidade.

O nome do cursinho homenageia a professora ex-vereadora e ex-deputada Vilma Moreira, que foi uma grande professora e líder comunitária em Rondonópolis, tendo o respeito de todo o Estado. O fato, contudo, do projeto estar atrelado ao nome de Thiago fez com que a realização fosse atacada.

Aliados conhecidos como “kamikaze”, de um conhecido político local, decidiram atacar a medida do parlamentar e tentaram, dentro de tudo que foi possível, barrar a iniciativa, até por meio de boicote, temendo que ela agregue em valor eleitoral para o emedebista.

Leia Também:  Bem nas pesquisas, Mauro não admite que apoio de Bolsonaro influencia

Thiago, que trabalha pela reeleição, em 2022, é um dos principais nomes cotados ao cargo de prefeito na maior cidade do interior, em 2024. Suas ações, muitas vezes privilegiando a população local, independente do benefício que tragam, já estão denotando ameaças.

Em relação ao cursinho Vilma Moreira a principal crítica é pelo fato do Município já disponibilizar ação semelhante com o “Zumbi dos Palmares”, capacitando crianças, adolescentes e jovens negros e carentes para vestibular e concurso.

Na visão de Thiago, contudo, uma coisa não anula a outra. “Esta realização era um sonho para mim, promover a criação cursinho para atender pessoas de baixa renda que querem estudar em uma Universidade Pública. Destinamos a emenda para a Unemat coordenar o projeto que terá os mais qualificados professores para atender os estudantes”, disse o deputado Thiago Silva.

Os professores que irão ministrar aulas nos 3 polos: Michelle Martine, Janailson, Ana Paula, Ariel Costa, Helena Castro, Jonas Mendes, Renata Martins, Eduardo Leite, Luzia Karla, Lucas Rodrigues, Thais, Kezia, Edmarcio, Geissiane Faria, Ivan Alisson, Wesley Cirso, Sérgio Costalunga, Marcelo, Ademir Borges e Louzada.

Leia Também:  Pátio e Mauro se revoltam com ações de socorro econômico de Bolsonaro

Cuiabá

O trabalho de Thiago em relação a uma educação de melhor qualidade a crianças e jovens também ocorre em Cuiabá. o “Cursinho Pré-Vestibular Profª. Vilma Moreira”, ocorrem no período noturno, na Escola Victorino Monteiro da Silva, no bairro CPA 4, em Cuiabá.

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ESPIA AÍ

Bem nas pesquisas, Mauro não admite que apoio de Bolsonaro influencia

Na última pesquisa realizada pelo instituto PercentBrasil, Mendes venceria em primeiro turno, com 62,5% dos votos válidos.

Publicados

em

Governador se irritou com fala de bolsonarista que sua consolidação em pesquisas tinha relação com anúncio de apoio do presidente

Mesmo depois de um anúncio público do presidente, Jair Bolsonaro (PL), que ignorou as tantas críticas que recebeu e colocou seu prestígio a favor de Mauro Mendes (UB), que tenta reeleição, o governador não admite que a força eleitoral do mandatário nacional tenha qualquer influência nos seus bons números em pesquisas de intenção de voto.

Vaidoso, Mauro sustenta que os seus projetados mais de 60% de prováveis votos válidos, que surgiu na amostragem, e toda boa avaliação da população à sua gestão são frutos do trabalho que tem feito desde 2019 e chegou a mostrar até visivel irritação, quando questionado no fim de semana sobre isso.

A declaração do governador ocorreu devido a uma fala do deputado estadual, Gilberto Cattani (PL), que afirmou que Mendes e o senador Wellington Fagundes (PL) só estavam favoritos nas pesquisas por causa do presidente Jair Bolsonaro (PL), que adiantou apoio aos dois. Para Mauro, não teve peso.

“Nossa administração foi conhecida em cima de trabalho e de resultados, se alguém desconhece isso é porque não vive em Mato Grosso, não conhece os números do nosso estado”, afirmou.

Leia Também:  Bem nas pesquisas, Mauro não admite que apoio de Bolsonaro influencia

Na última pesquisa realizada pelo instituto PercentBrasil, Mendes venceria em primeiro turno, com 62,5% dos votos válidos. A pesquisa foi realizada entre os dias 01 e 06 de junho e foram entrevistados 812 pessoas por telefone.

O governador disse que os números são um reflexo dos investimentos feitos em Mato Grosso que, segundo ele, inclui todas as áreas do serviço público.“Se nós estamos bem nas pesquisas não é devido à A, B ou C e sim tudo aquilo que o governo fez. Somos o estado que mais investe”, disse.

Críticas a Bolsonaro

A aparente “certeza de vitória”, já materializada por um dos seus principais aliados, o ex-senador Cidinho Santos, que desdenhou e indicou que Mauro não precisaria de Bolsonaro pra se reeleger, tem dado ao governador uma postura de quase opositor ao criticar abertamente as ações de Bolsonaro, tanto para limitar o ICMS (imposto estadual), como para conceder um voucher de R$ 1.000,00 para caminhoneiros, como para elevar o Auxílio-Brasil (antigo Bolsa Família) a R$ 600,00 dentre outros benefícios.

Leia Também:  Pátio e Mauro se revoltam com ações de socorro econômico de Bolsonaro

Sem citar diretamente Bolsonaro, Mauro criticou o Congresso Nacional por ter validado as propostas do Governo Federal e disse que entendia o pacote de socorro econômico como “medida eleitoreira”, “papagaiada” e ação de quem só está pensando em ganhar “votinho”. Para muitos bolsonaristas, a aproximação de Mauro nos primeiros meses do ano, sinalizando a aliança ao presidente, foi uma estratégia do governador para não deixar crescer um projeto robusto de oposição com apoio do presidente, o que fatalmente lhe tiraria do cargo.

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA