CUIABÁ

DENÚNCIAS E MAIS DENÚNCIAS

Secretário de MT "provoca" reprovados e defende concurso suspenso

O certame, realizado pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), teve 67 mil inscritos e foi alvo de mais de 100 denúncias

Publicados

JURÍDICO

Mesmo com os indícios de irregularidades, Bustamente muda o foco e diz que os "desclassificados sempre ficam insatisfeitos". FOTO - Alair Ribeiro/MidiaNews

O secretário de Estado de Segurança Pública (Sesp), Alexandre Bustamante, minimizou, nesta semana, os questionamentos sobre o concurso realizado em feveiro na área para preenchimento de cargos na Politec, Polícia Civil, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros de Mato Grosso, todos suspensos temporariamente pela Justiça após várias denúncias de irregularidades, e chegou a dar uma provocada nas tantas pessoas que buscaram a justiça afirmando que os “desclassificados sempre ficam insatisfeitos”.

Ele negou qualquer possibilidade de anular o certame, logo após isso ser defendido pelo próprio presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso – ALMT, que enxergou que o certamente já perdeu a credibilidade. “A principal polêmica que o concurso dá é sempre dos reprovados, dos desclassificados, que não concordam às vezes com as questões ou com o tipo de exame”, provocou Bustamente.

“Estamos vivendo um momento muito garantidor do direito de todos e todos têm o direito de recorrer à Justiça e vão questionar o concurso até o fim. Sempre os desclassificados não ficam satisfeitos e vão fazer suas falas”, acrescentou. O certame, realizado pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), teve 67 mil inscritos e foi alvo de mais de 100 denúncias de concorrentes que apontaram supostas fraudes. Em março, a homologação do concurso foi suspensa.

Leia Também:  Marido mandante de morte de personal da mulher pega 20 anos de cadeia

Em maio, a Justiça Federal determinou a suspensão do processo por supostos problemas no Teste de Aptidão Física (TAF), realizado entre os dias 15 e 16 de maio em Cuiabá. Até mesmo um servidor, responsável por aplicar as provas, foi acusado de privilegiar alunos de uma academia que possui. Ainda em relação a prova teórica, um vídeo viralizou nas redes sociais denunciando o vazamento das provas 40 dias antes de sua aplicação. Segundo o secretário, porém, não há nada para se alarmar.

“É um concurso complexo, não feito apenas de prova objetiva, mas de provas físicas, exames médicos e odontológicos, psicotécnicos, e depois os aprovados ainda vão para a academia”, justificou Bustamante. O secretário salientou que não irá questionar a idoneidade da UFMT ou apontar má-fé de alguém.

Segundo Bustamante, pode ter havido erros no certame, mas cabe à Justiça “equilibrar a balança”. “Foram 67 mil inscritos e eu tenho nesse universo pouca gente questionando. Fazendo muito barulho? Com certeza. Mas são poucos os que estão entrando na Justiça e tendo respaldo. […] Eu acredito muito na estrutura do Estado e na finalização desse concurso”, completou.

Leia Também:  Marido mandante de morte de personal da mulher pega 20 anos de cadeia

“Problemas pontuais”

Bustamante afirmou que acredita no prosseguimento normal do certame assim que dois ”problemas pontuais” forem resolvidos. Um é quanto à lei aprovada pela Assembleia, após os deputados derrubarem o veto do governador Mauro Mendes (UB), que veda a eliminação de candidatos de concursos públicos que forem classificados abaixo do quantitativo de vagas.

“Essa lei altera a cláusula do edital, que é regra básica do concurso. E também temos uma decisão da Justiça Federal que altera cláusula do edital e abre oportunidade de recurso num momento em que não tinha recurso”, citou. “Mas são coisas pontuais, estamos trabalhando e a Justiça também tem seus freios e contrapesos”, completou.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

JURÍDICO

Marido mandante de morte de personal da mulher pega 20 anos de cadeia

Segundo as investigações, Guilherme arquitetou o crime e contratou dois executores, após descobrir uma suposta traição da esposa

Publicados

em

Crime ocorreu em 8 de novembro de 2017, quando a vítima saía da academia

O Tribunal do Júri condenou, nesta terça-feira (5), Guilherme Dias de Miranda a 20 anos de reclusão em regime fechado por homicídio qualificado e Wallisson Magno de Almeida Santana a 9 anos em regime semiaberto por homicídio simples.

Guilherme foi acusado de mandar matar o personal trainer Danilo Campos, de 28 anos, que teria um suposto relacionamento com sua esposa. Já Wallison foi inicialmente denunciado como sendo um dos executores do crime, mas o MPE o apontou como piloto.

Danilo foi executado quando saía de uma academia no dia 8 de novembro de 2017, no bairro Jardim Cuiabá, na capital, quando um motociclista passou pelo local. O executor, até o momento, não foi identificado e nem preso.

Segundo as investigações, Guilherme arquitetou o crime e contratou dois executores, motivado por ciúmes. Policiais da Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoas (DHPP), descobriram que a vítima havia conhecido a esposa de Guilherme em uma academia localizada no Shopping de Várzea Grande.

O caso foi descoberto pelo marido pouco tempo depois. Com a descoberta, Guilherme teria pedido a esposa para que frequentasse outra academia, porém, os encontros teriam continuado. De acordo com uma testemunha que era colega de trabalho de Danilo, o rapaz estaria recebendo ameaças.

Leia Também:  Marido mandante de morte de personal da mulher pega 20 anos de cadeia

A partir de então, teria começado a andar armado. Ainda conforme a testemunha, Danilo, apesar das ameaças, sempre se mostrou tranquilo e dizia que jamais tinha visto Guilherme na academia. Durante depoimento, a namorada de Danilo na época contou que conheceu  a vítima em agosto de 2017 e negou ter conhecimento das ameaças supostamente cometidas por Guilherme.

A dupla foi presa em março de 2018, em São Paulo, enquanto tentavam fugir do país. A esposa de Guilherme, Ane Lise, chegou a ser presa em Foz do Iguaçu (PR) e trazida a Mato Grosso, mas acabou sendo colocada em liberdade após colaborar com as investigações e declarar ter sofrido ameaças do ex-companheiro.

Ela não foi denunciada pelo Ministério Público por envolvimento no crime. Danilo era filho de Nilo Campos, ex-vereador por Várzea Grande.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA