CUIABÁ

PREJUÍZO AO NARCOTRÁFICO

Cachorro do Bope encarga carga de cocaína de R$ 5 milhões em MT

A ação, parceria entre Polícia Federal, Força Tática da Polícia Militar e Bope, resultou na apreensão de 213kg de cloridato de cocaína

Publicados

POLÍCIA

O cão foi colocado em ação e encontrou um Fiat Doblô com dezenas de tablets do produto

Um cão policial do Batalhão de Operações Especiais (Bope) foi responsável por uma apreensão milionária de drogas na manhã desta quinta-feira (12), em Cuiabá. A ação, parceria entre Polícia Federal, Força Tática da Polícia Militar e Bope, resultou na apreensão de 213kg de cloridato de cocaína, avaliados em mais de R$ 5 milhões.

A ação, que contou com o trabalho da central de inteligência da Polícia Federal, interceptou informações que apontaram um carregamento de entorpecentes sendo trazido em um veículo. Segundo informações, um homem de 22 anos havia sido contratado em Santa Catarina para pegar o carregamento de drogas em um carro em Pontes e Lacerda (a 448 km de Cuiabá), com destino à capital mato-grossense.

O veículo seria deixado em uma transportadora cuiabana, que  ficaria encarregada de fazer o transporte do mesmo, em um caminhão-cegonha, até São Bernardo do Campo (SP) e zona norte da capital paulista. Durante a intervenção, o cão farejador do Bope foi requisitado, pois haviam muitos caminhões-cegonha na transportadora e os policiais tiveram dificuldade em encontrar os entorpecentes.

Leia Também:  Suspeito mutila genitália de mulher, foge com bebê e é preso em MT

O cão foi colocado em ação e encontrou um Fiat Doblô com dezenas de tablets de cloridato de cocaína. Ao todo, foram apreendidos 213 quilos da droga, avaliados em cerca de R$ 5.345.000,00. De acordo com a Polícia Federal, o cloridrato de cocaína é mais valorizado no mercado ilegal do que a pasta base de cocaína tradicional.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍCIA

Avaliador oficial do TAF teria beneficiado clientes de sua academia em MT

Deputado estadual, Claudinei Lopes, e o vereador da capital, Diego Guimarães já reforçaram o coro da polêmica e cobram esclarecimentos

Publicados

em

As denúncias envolvem o servidor público e empresário Duliomar Aparecido Figueiredo Sampaio. FOTO - Maksuel Martins

Um grupo de candidatos aprovados na primeira fase do concurso público para cargos nas Polícias Militar, Civil e Corpo de Bombeiros tem se mobilizado para expor uma nova denúncia de supostas ilegalidades envolvendo a segunda parte do certame, ou seja, a aplicação do Teste de Aptidão Física (TAF).

Eles denunciam que um servidor público e empresário do setor de academia e testes de preparação física, atuou como avaliador oficial do TAF aplicado aos candidatos e, supostamente, teria beneficiado amigos e alunos de sua empresa privada.

A mobilização dos denunciantes encontrou respaldo junto ao vereador Diego Guimarães (Cidadania) e ao deputado estadual Delegado Claudinei (PL), que expuseram as denúncias cobrando apuração por parte da Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp-MT), responsável pelo concurso, que é organizado e executado pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) desde fevereiro deste ano.

As denúncias envolvem o servidor público e empresário Duliomar Aparecido Figueiredo Sampaio, que se apresenta como personal Dulio Sampaio. Ele é servidor efetivo da Sesp-MT e, no mês de abril, foi cedido ao Corpo de Bombeiros, conforme ato publicado no Diário Oficial do Estado no dia 20 de abril deste ano. Além disso, é dono da empresa Crosstaf  Centro De Treinamento Fisico E Especializado Eireli, situada no bairro Ipase, em Várzea Grande.

Leia Também:  Motociclista é atropelada por caminhão da Prefeitura e morre em MT

No local, Dúlio é um dos instrutores e preparadores para alunos interessados em diferentes tipos de treinamento físicos, inclusive o TAF aplicado no concurso público da Sesp-MT. Ainda assim, segundo os denunciantes, ele foi um dos avaliadores oficiais nas provas do TAF. Isso fez alguns candidatos questionar sua atuação e sugerir que ele poderia ter beneficiado candidatos que seriam seus alunos no Crosstaff. Ou seja, em sua empresa onde ele também atua como preparador de clientes que vão prestar concursos e serão submetidos ao teste físico.

Na última quarta-feira (18), o deputado Delegado Claudinei usou a tribuna da Assembleia Legislativa para denunciar a situação e pedir esclarecimentos ao titular da Sesp-MT. Ele informou que havia protocolado no dia anterior, um ofício ao chefe do Ministério Público Estadual, José Antônio Borges, com cópia para a pró-reitoria administrativa da UFMT, relatando suspeita de fraude na aplicação do TAF.

Já o vereador Diego Guimarães usou suas redes sociais para informar que também recebeu denúncias no mesmo sentido feitas por candidatos que fizeram a prova do concursos para a Polícia Militar e enviou ofício à Sesp- pedindo esclarecimentos ao secretário Alexandre Bustamante e ao comando-geral da Polícia Militar.

Leia Também:  Suspeito mutila genitália de mulher, foge com bebê e é preso em MT

SUSPENSÃO 

Em decorrência de negativas da banca examinadora em fornecer imagens do TAF a candidatos que pretendem ingressar com recursos administrativos, a Justiça Federal já suspendeu temporariamente a continuidade do concurso relativo à Polícia Civil.

O juiz federal Hiran Armênio Xavier Pereira, da 2ª Vara Federal de Mato Grosso, acolheu pedido da Defensoria Pública da União e mandou os responsáveis fornecerem as imagens a todos os candidatos interessados. Detemrinou ainda a divulgação de um novo cronograma de prazos.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA