CUIABÁ

EFEITO OPERAÇÃO

Comandante diz que policiais de MT

O oficial afirma que todo policial militar que se envolve em algum tipo de confronto já responde internamente a um inquérito militar

Publicados

POLÍCIA

Coronel teceu duras críticas a Operação da Polícia Civil e MPE, que apontaram para um possível grupo de extermínio na PM de MT. FOTO - Christiano Antonucci/Secom-MT

O comandante-geral da Polícia Militar de Mato Grosso, o coronel Alexandre Correa Mendes, afirmou na manhã desta quinta-feira (28), durante entrevista à rádio Capital FM, que vê com estranheza a investigação contra os policiais que resultaram na deflagração da “Operação Simulacrum”, apontando um possível grupo de extermínio dentro da corporação.

O chefe da PM apontou que nenhum cidadão pode responder a dois inquéritos sobre o mesmo assunto e desabafou, dizendo que seus comandados agora pensarão duas vezes antes de ir para um confronto. De acordo com o oficial, todo policial militar que se envolve em algum tipo de confronto responde internamente a um inquérito militar dentro da Corregedoria da PM.

Ele afirmou que estas investigações fazem todo o trâmite jurídico e passam pelo crivo do Ministério Público e da Justiça, antes de serem concluídos e que, em nenhum dos casos envolvidos na operação, houve irregularidades nos processos feitos dentro da própria instituição. “Nenhum cidadão pode responder a dois inquéritos relacionados ao mesmo fato. Ou seja, aí já tem algo estranho. Todas as vezes em que ocorre um confronto policial, a Corregedoria da PM tem que imediatamente fazer uma investigação. Essa apuração é enviada para a Vara Militar, onde um juiz e um promotor de Justiça atuam e verificam se existe alguma falha processual. Nenhum destes inquéritos voltou com algum tipo de apontamento ou pedido de correção”, apontou.

Leia Também:  Hilux bate de frente com caminhão e quatro morrem em MT

Em caso que chegou a ser pauta no global Fantástico, 63 policiais militares foram alvos de uma operação deflagrada no último dia 31 de março, pela Polícia Civil e Ministério Público Estadual (MPE), suspeitos de matar 24 pessoas e simularem confronto, na região metropolitana de Cuiabá, para permitir execuções. A maior parte dos enquadrados eram da Ronda Tático Ostensiva Móvel (Rotam), Batalhão de Operações Especiais (Bope), Força Tática e 1º Comando Regional.

O comandante afirmou que estes homens foram essenciais na atuação contra a modalidade de roubos a bancos no interior do estado, que ficou conhecida como “Novo Cangaço”. “Se houve algum ato ilícito dos PMs, isso deve ser apurado, mas dizer que em todos estes confrontos em que pessoas com manchas criminais estampadas em todos os jornais vieram a óbito foram simulados, inclusive com policiais feridos, então teremos que olhar com cautela. É preciso separar o joio do trigo, mas dizer que meus 64 policiais militares, da forma com que foram tratados, são comparados a bandidos, aí eu vou defende-los diariamente. Alguns policiais militares do Bope participaram durante 52 dias de ações contra o Novo Cangaço e foram presos nesta operação da Polícia Civil. Isso aí, para nós, é algo desanimador. O policial militar agora vai pensar duas vezes antes de ir para um confronto”, completa.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍCIA

Pai morre, mãe e bebê são internadas após colisão com carreta na 163

A perícia preliminar identificou que o veículo na família colidiu com o caminhão quando este trafegava na pista contrária

Publicados

em

Homem de 29 anos chegou ser socorrido com vida, mas morreu no hospital.

Um homem identificado como Wallyson Vinicius Bellon, de 29 anos, morreu ontem (5), após uma colisão entre sua camionete Mitsubishi com uma carreta na BR-163, em Lucas do Rio Verde (a 353 km de Cuiabá).

Além da vítima, sua esposa Nathalia França e a filha do casal, uma bebê, também estavam no carro. As duas foram socorridas e seguem internadas em uma unidade de saúde do Município.

Segundo a Rota do Oeste, que atendeu a ocorrência, a família ocupava um utilitário Mitsubishi branco que bateu no caminhão na altura do Km 666.

As causas do acidente ainda são apuradas pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). No entanto, a perícia preliminar identificou que o veículo na família colidiu com o caminhão quando este trafegava na pista contrária e se preparava para entrar em uma fazenda.

A violência da batida destruiu a parte frontal do Mitsubishi, mas a família foi socorrida com vida. As vítimas foram encaminhadas ao Hospital São Lucas e a uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Município.

Leia Também:  Empresário aproveita enteada bêbada e a estupra em Cuiabá

Apesar de ter sido socorrido, Wallyson não resistiu aos ferimentos e morreu na unidade de saúde. O caso segue sendo investigado pela Polícia Civil.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA