CUIABÁ

SEM TRAVESSIA

Homem tenta atravessar BR-163 e morre atropelado em MT

Testemunhas contaram que a vítima estava tentando atravessar rapidamente a rodovia quando foi atingida pelo carro.

Publicados

POLÍCIA

Carro ficou com a lateral dianteira parcialmente destruída com violência do impacto

Um homem, ainda não identificado, morreu no final da manhã de terça-feira (21), após ser atropelado por um veículo Volkswagen UP, quando tentava atravessar a BR-163, na cidade de Sinop (500 km de Cuiabá).

O atropelamento foi registrado por volta das 12h, no km 841 da rodovia. Testemunhas contaram que a vítima estava tentando atravessar rapidamente a rodovia quando foi atingida pelo carro.

Com o impacto, o pedestre foi arremessado na pista. Uma equipe do Corpo de Bombeiros foi acionada, mas durante os primeiros atendimentos o homem acabou não resistindo aos ferimentos e vindo a óbito.

Já o motorista teve algumas escoriações e foi encaminhado para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA). O local do acidente foi isolado e analisado por peritos da Politec (Perícia Oficial e Identificação Técnica).

O corpo do pedestre também foi encaminhado ao Instituto Médico Legal, onde passará por exames de necropsia e identificação.

As circunstâncias do acidente devem ser apuradas pela Polícia Civil.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Homem é encontrado morto ao lado de moto na Avenida da FEB
Propaganda

POLÍCIA

“Pai” é suspeito de auxiliar no aborto do filho em MT e jogar feto em lixeira

O suspeito foi autuado em flagrante, inicialmente, pelo crime de aborto, mas a perícia pode apontar novos rumos para o caso

Publicados

em

A mulher de 42 anos, que abortou, segue com quadro hemorrágico e internada. Policia investiga seu consentimento ou não com a morte e descarte da criança.

Um homem, suspeito de auxiliar ou induzir o aborto do próprio foi preso, hoje (5), em Lucas do Rio Verde (333,2 Km). O caso chegou ao conhecimento da Polícia Civil após a comunicação feita pelo hospital São Lucas, onde uma mulher de 42 anos chegou em estado gravíssimo, após ser socorrida pela guarda municipal.

Na unidade médica, foi constatado que ela havia sofrido um aborto. De acordo com o delegado Eugênio Rudy, a médica que fez o atendimento questionou o marido da mulher sobre o local onde estaria o feto. Inicialmente, o suspeito disse que não havia bebê, porém, após insistência da médica, acabou revelando que o feto havia sido jogado em uma lixeira.

“A médica determinou que ele fosse até o local onde tinha deixado a criança. Ele foi, pegou o corpo da criança e levou para o hospital. Ou seja, foi o próprio autor quem levou até o hospital o corpo dessa criança”, afirmou o delegado.

Inicialmente, o homem disse em depoimento que não sabia que a mulher estava grávida e nega qualquer auxílio ou indução ao aborto. “Ele negou, mas a fala dele não nos convenceu. Existem lacunas que demonstram indícios de que ele auxiliou ou provocou esse aborto, provavelmente, com consentimento da gestante. Essa é a nossa primeira tese”, comentou o Eugênio.

Leia Também:  Ônibus da Argentina perde freio na Serra de São Vicente e dois morrem

Segundo o delegado, algumas testemunhas foram ouvidas e a Polícia Civil não descarta a hipótese de que a criança tenha sido colocada ainda com vida em uma sacola plástica e deixada na lixeira. “Foi possível extrair que, quando foi colocada na sacola, ela se mexeu. Houve movimentos por parte desta criança. O que nos leva a crer que estava viva. Isso sendo comprovado pela perícia, sairemos de aborto, que é o crime que estou imputando nesse momento, para o crime de homicídio”.

O delegado ainda lamentou a situação e destacou que se trata de um fato gravíssimo. “É uma investigação que a gente não queria fazer porque mexe com a gente. Estamos consternados. Não é fácil investigar essa situação”.

O suspeito foi levado para a delegacia municipal e autuado em flagrante, inicialmente, pelo crime de aborto. Em seguida, passará por audiência de custódia, que definirá se responderá ou não em liberdade. A mulher segue internada com hemorragia no hospital São Lucas. Segundo a Polícia Civil, não há registros de violência doméstica entre o casal.

Leia Também:  Ajudar em investigação policial pode render até R$ 50 mil em MT

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA