CUIABÁ

POLÍCIA

Mulher apanha da esposa e é arrastada na brita em MT

Publicados

POLÍCIA

A vítima, de 31 anos, nome não divulgado, denunciou a ‘esposa’, 27, por agressão durante desentendimento no bairro Jardim Europa, em Sorriso (420 km da Capital), onde alega que teria sido arrastada por um trecho de brita, em meio a briga.

A Polícia Militar (PM) foi acionada e quando a equipe chegou ao endereço encontrou as duas com diversos hematomas pelo corpo.

De acordo com a vítima, sua mulher chegou tarde em casa e completamente bêbada. Momento em que questionou onde ela estava e a situação em que chegou.

Ainda segundo a denunciante, a acusada partiu para cima dela, a arremessou no chão e passou a arrastá-la para fora de casa sobre um monte de brita.

Já a acusada, relatou outra versão dos fatos. Disse que ao chegar da rua a mulher teve uma crise de ciúmes e durante a discussão tentou terminar o relacionamento, mas a esposa não aceitou, a trancou em casa e partiu para cima dela com agressões físicas. Diante da violência, de apenas se defendeu.

Para evitar um mal maior entre as duas, a PM a encaminhou à Delegacia de Polícia Civil, onde foram ouvidas pelo delegado de plantão, registrada ocorrência de ‘Maria da Penha’ e tomadas as medidas cabíveis ao caso.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Motorista bêbado mata menina de 25 anos em Mato Grosso
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

POLÍCIA

Namorada de agente morto por Pacolla desmente versão de vereador

A mulher nega que uma mulher estaria sendo ameaçada pelo agente e diz que a arma do namorado estava na cintura

Publicados

em

Segunda a namorada, ela fez um vídeo do namorado morto com a arma na cintura

Ao contrário do que foi relatado pelo vereador e tenente coronel da Polícia Militar de Mato Grosso, Marcos Paccola (REPUBLICANOS) e pelo boletim de ocorrência do caso, a namorada de Alexandre Miyagawa, 41, agente penal do Complexo Pomeri, mais conhecido como ‘Japão’, negou, neste sábado (2), que ele a tivesse ameaçado.

Segundo ela, o agente não estava com a arma na mão e sim na cintura, diferente da versão do vereador. Ele foi morto por um tiro de Paccola, que alegou legítima defesa, na Avenida Arthur Bernardes, atrás do restaurante Choppão. “Estão falando que o Paccola atirou no Alexandre porque estava defendendo uma mulher que estava sendo ameaçada. Que mulher é essa? a mulher sou eu?”, questionou Janaina Sá, em suas redes sociais.

Segundo a mulher, ela entrou na contramão porque parou para ir ao banheiro. “Eu desci para fazer xixi, desci na rua contramão um pedaço, e um cara começou a me xingar: “Louca, parou na contramão”, eu peguei e falei, “e daí, entrei na contramão”.

Leia Também:  Homem é esfaqueado, atropela mulher e acaba preso em Rondonópolis

“Eu fui fazer xixi na distribuidora e saí andando rápido. E o Alexandre tem mania de andar com a mão na camisa. mania de policial, não sei, tipo fazendo guarda. E ele estava atrás e falou “amor, espera”. E de repente eu só vi ele caindo no chão. O tiro podia pegar em mim, porque eu senti”, falou a namorada, com a voz embargada.

“Porque esse cara atirou? Porque ele estava armado, porque ele atirou? Porque eu entrei na contramão, porque ele saiu com a mão na cintura? Ele não estava com a arma [na mão], era o celular. Eu fiz um vídeo, a arma estava nele. Tiraram até a arma dele. Ele estava com o celular, porque estava o corpo, o celular e a carteira caída no chão. Não é nada disso que estão falando, não teve agressão”, completou.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA