CUIABÁ

MOSTRANDO AOS COLEGUINHAS

Professora flagra aluno de 6 anos com arma em sala de aula de MT

Policiais perguntaram ao menor como ele conseguiu a arma. A criança informou que apenas a encontrou em sua mochila, mas que pertence ao pai.

Publicados

POLÍCIA

Polícia Militar e Conselho Tutelar foram chamados na escola

Um menino de apenas 6 anos levou uma arma para a escola na zona rural de Bom Jesus do Araguaia (996 km de Cuiabá), na última segunda-feira (18). Foi a professora quem o viu mostrando o revólver calibre 22 aos colegas.

Conforme o boletim de ocorrência, o caso foi registrado por volta das 15h, na Escola Municipal da Vila Campinas.  Logo que percebeu a cena, a professora acionou a direção da escola, que chamou a Polícia Militar.

Já no local, os policiais perguntaram ao menor como ele conseguira ter acesso à arma. A criança informou que apenas a encontrou em sua mochila, mas que pertence ao pai.

O Conselho Tutelar também foi acionado. Em procura pelos responsáveis, primeiro na casa da criança, a mãe disse que a arma foi adquirida depois de um assalto na fazenda onde a família mora.

O marido não estava no em casa – a mulher disse que ele estava no trabalho. Os policiais foram até o local informado, mas o proprietário contou que o funcionário não tinha sido visto naquele dia.

Leia Também:  Vereador de Cuiabá mata homem e diz que agiu em legítima defesa

A criança e a mãe foram conduzidas para esclarecimentos na delegacia de Ribeirão Cascalheira. A Polícia Civil investiga o caso.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍCIA

“Pai” é suspeito de auxiliar no aborto do filho em MT e jogar feto em lixeira

O suspeito foi autuado em flagrante, inicialmente, pelo crime de aborto, mas a perícia pode apontar novos rumos para o caso

Publicados

em

A mulher de 42 anos, que abortou, segue com quadro hemorrágico e internada. Policia investiga seu consentimento ou não com a morte e descarte da criança.

Um homem, suspeito de auxiliar ou induzir o aborto do próprio foi preso, hoje (5), em Lucas do Rio Verde (333,2 Km). O caso chegou ao conhecimento da Polícia Civil após a comunicação feita pelo hospital São Lucas, onde uma mulher de 42 anos chegou em estado gravíssimo, após ser socorrida pela guarda municipal.

Na unidade médica, foi constatado que ela havia sofrido um aborto. De acordo com o delegado Eugênio Rudy, a médica que fez o atendimento questionou o marido da mulher sobre o local onde estaria o feto. Inicialmente, o suspeito disse que não havia bebê, porém, após insistência da médica, acabou revelando que o feto havia sido jogado em uma lixeira.

“A médica determinou que ele fosse até o local onde tinha deixado a criança. Ele foi, pegou o corpo da criança e levou para o hospital. Ou seja, foi o próprio autor quem levou até o hospital o corpo dessa criança”, afirmou o delegado.

Inicialmente, o homem disse em depoimento que não sabia que a mulher estava grávida e nega qualquer auxílio ou indução ao aborto. “Ele negou, mas a fala dele não nos convenceu. Existem lacunas que demonstram indícios de que ele auxiliou ou provocou esse aborto, provavelmente, com consentimento da gestante. Essa é a nossa primeira tese”, comentou o Eugênio.

Leia Também:  Vídeo mostra exato momento em que Paccola mata agente

Segundo o delegado, algumas testemunhas foram ouvidas e a Polícia Civil não descarta a hipótese de que a criança tenha sido colocada ainda com vida em uma sacola plástica e deixada na lixeira. “Foi possível extrair que, quando foi colocada na sacola, ela se mexeu. Houve movimentos por parte desta criança. O que nos leva a crer que estava viva. Isso sendo comprovado pela perícia, sairemos de aborto, que é o crime que estou imputando nesse momento, para o crime de homicídio”.

O delegado ainda lamentou a situação e destacou que se trata de um fato gravíssimo. “É uma investigação que a gente não queria fazer porque mexe com a gente. Estamos consternados. Não é fácil investigar essa situação”.

O suspeito foi levado para a delegacia municipal e autuado em flagrante, inicialmente, pelo crime de aborto. Em seguida, passará por audiência de custódia, que definirá se responderá ou não em liberdade. A mulher segue internada com hemorragia no hospital São Lucas. Segundo a Polícia Civil, não há registros de violência doméstica entre o casal.

Leia Também:  Ajudar em investigação policial pode render até R$ 50 mil em MT

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA