CUIABÁ

AGRO

Credores bloqueiam dinheiro de venda de terras de Olacyr de Moraes à Amaggi

Publicados

AGRO

Credores do empresário Olacyr de Moraes, que morreu em junho de 2015, conseguiram bloquear na Justiça boa parte do dinheiro da venda da Ciapar, que reúne fazendas em Mato Grosso. As terras tinham sido negociadas com o grupo AMaggi, da família do ministro da Agricultura, Blairo Maggi, apurou o jornal ‘O Estado de SP’. O valor total da transação é de cerca de R$ 1,1 bilhão. Filha do ex-rei da soja, Ana Cláudia de Moraes, herdou os negócios agrícolas do pai – entre eles, a Usinas Itamarati, com dívidas de cerca de R$ 3,2 bilhões. O processo corre em segredo de Justiça.

Na prática, a decisão não inviabiliza a venda das fazendas para AMaggi, o que preocupava tanto os acionistas quanto os compradores. Contudo, os recursos não ficarão disponíveis até que uma decisão final sobre o caso seja tomada. Ainda cabem recursos. A venda das fazendas à AMaggi foi concluída no fim do ano passado. Os credores bloquearam os valores para reaver uma dívida de R$ 250 milhões, em valores atualizados.

Segundo fontes a par do assunto, a venda das fazendas foi a grande aposta da herdeira para reduzir o endividamento de negócios problemáticos da família – caso da Usinas Itamarati, de açúcar e álcool. A Ciapar reúne propriedades de soja, milho e algodão em Mato Grosso, totalizando 105 mil hectares.
Essas fazendas estavam arrendadas desde 2002 para a família Maggi, tradicionais produtores de grãos do Centro-Oeste. As terras eram uma das principais fontes de recursos dos Moraes, pois os outros negócios do ex-rei da soja não tinham vingado. O empresário foi também dono de construtora (a Constran, vendida à UTC) e de um banco, chegando a ser considerado um dos homens mais ricos do mundo.

Leia Também:  Fávaro deixa Senado Federal para tentar eleger Neri

O processo que bloqueou os recursos da venda das fazendas foi movido pela Marne, que pertence a dois empresários italianos, Fiorenzo Sartor e Marco Basso. Eles usaram o argumento de “incidente de desconsideração de personalidade jurídica”. A dívida que eles cobram é originalmente da GPart, holding constituída em 2006 para investir em negócios sucroalcooleiros. À época, a empresa adquiriu ativos no Mato Grosso do Sul que pertenciam a Sartor e Basso.

Herança
Ainda em vida, Olacyr de Moraes repassou seus bens agrícolas para a filha Ana Cláudia. Ela herdou vários negócios, entre eles a Usinas Itamarati, que chegou a ser a maior do mundo, e a Ciapar, dona das terras vendidas à Amaggi. Os credores rastrearam as diversas empresas da herdeira para cobrar a dívida.

Uma primeira decisão da 2.ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo determinou, em julho, que a “Agropecuária Maggi deposite em juízo, integralmente, o valor devido aos vendedores das ações da Ciapar”.

Ainda de acordo com essa primeira sentença, os recursos dos acionistas da Ciapar, que incluem as empresas Baywalk e SCVSPE, foram bloqueados. Essas duas companhias pertencem ao advogado Sérgio Spinelli, ex-Mattos Filho e hoje à frente da Spinelli Advogados. Ele é sócio de Ana Cláudia de Moraes e chegou aportar recursos na empresa. O Estado apurou que, dias depois, a 2.ª Vara excluiu a Baywalk e SCVSPE do bloqueio, por entender que essas empresas não têm ligação nenhuma com a Gpart.

Leia Também:  Justiça marca julgamento que pode cassar prefeito Kalil de VG

Procurada, Ana Cláudia informou, por meio de um interlocutor, que não irá se pronunciar. Spinelli também não comentou. O escritório Arruda Alvim & Thereza Alvim, que representa a Marne, não retornou os pedidos de entrevista. A AMaggi informou, em nota, que adquiriu a totalidade das ações da Ciapar e disse não comentaria a questão do bloqueio de recursos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

AGRO

MT aumenta área plantada de soja, mas deve produzir menos

Por fim, a produção total para a próxima colheita ficou projetada em 39,48 milhões de toneladas para o estado.

Publicados

em

Sobre a produtividade, a estimativa foi estipulada em 58,62 saca/hectare, menos que 2021. FOTO - Exame/Alexis Prappas

A área aguardada de soja para a próxima temporada no estado de Mato Grosso (safra 2022/23) ficou projetada em 11,13 milhões de hectares, incremento de 2,55% em relação à safra 2021/22.

A ampliação inicial está pautada pela valorização do preço da oleaginosa, demanda aquecida e o momento de preços favoráveis dos subprodutos da soja, o que motivou alguns produtores a fazerem a conversão de áreas de pastagens para agricultura, principalmente em regiões onde a pecuária predomina — Nordeste, Noroeste e Norte.

A informação foi divulgada, nos últimos dias, pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (IMEA), no boletim semanal da soja. Sobre a produtividade, a estimativa foi estipulada em 58,62 saca/hectare, o que representa 1,26% abaixo em relação ao rendimento da safra 2021/22.

Apesar do recuo na estimativa, neste primeiro momento as projeções ficam limitadas,
devido a alguns pontos que podem impactar no decorrer da safra, como: condições climáticas e incertezas de investimento devido ao alto custo de produção.

Por fim, a produção total ficou projetada em 39,48 milhões de toneladas para o estado.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Wilson faz pressão em Mendes: "não será o coveiro do Rio Cuiabá"
Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA