CUIABÁ

POLÍTICA

Depois de Rondonópolis, discussão entre vereadores de Cuiabá também para na delegacia

Publicados

POLÍTICA

A exemplo de Rondonópolis, uma discussão entre os vereadores de Cuiabá, Dilemário Alencar (Podemos) e Edna Sampaio  (PT) virou caso de polícia, com troca de denúncias entre ambos nesta quinta-feira (30).

A briga teve início após o parlamentar chamar a colega de parlamento de “Karol Conká”, polêmica cantora ex-BBB, em sessão na terça-feira (28).

A referência, segundo o parlamentar, é porque ambas “perfilam o ódio” nos locais que convivem. No boletim de ocorrência, Dilemário diz ainda que Edna age de forma “sorrateira” e “ardilosa”.

À imprensa, a equipe da vereadora confirmou que ela também procurou a delegacia virtual para denunciar o ocorrido.

Em sua versão, o vereador diz que fez a comparação após a colega se opor à propositura apresentada pela também vereadora Maria Avallone (PSDB).

No relato prestado à polícia, Dilemário diz que parlamentar supostamente usaria ataques constantes contra colegas da Casa de Leis que não guardam as mesmas perspectivas ideológicas que ela.

Após ser chamada de Karol Conká, a vereadora trouxe a questão pra pauta racial, afirmando que sua presença “incomoda muita gente” e que racistas a queriam “confinada”.

Leia Também:  Segundo Cattani, bolsonaristas raiz são "fiéis às suas esposas"

“Racistas sempre querem que nós negros sejamos mansos e ‘conhecedores do nosso lugar’. O lugar que eles querem nos confinar. Uma Edna Sampaio incomoda muita gente!!”, escreveu a vereadora.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

POLÍTICA

TCE aponta superfaturamento de prefeitos de MT na pandemia

De acordo com o TCE, houve superfaturamento na compra de cada um dos kits de testes COVID. As unidades foram compradas por R$ 1,3 mil

Publicados

em

O Consórcio alvo do TCE é formado pelos municípios de Juara, Tabaporã, Porto dos Gaúchos e Novo Horizonte do Norte.

O Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT) apontou superfaturamento no preço pago por testes de Covid-19 pelo Consórcio Intermunicipal de Saúde Vale do Arinos (Cisva).

Conforme o TCE, a irregularidade ocorreu na compra de testes em 2020, em período agudo da pandemia. O julgamento da tomada de contas ocorreu nos últimos dias.

Ninguém do Consórcio Intermunicipal de Saúde Vale do Arinos se pronunciou, até o momento. A tomada de contas ordinária foi instaurada pelo TCE para apurar irregularidades no certame emergencial.

Segundo o Tribunal de Contas, o consórcio intermunicipal comprou cerca de 70 kits de testes com a dispensa de licitação. O valor pago por esses kits foi de 91 mil reais. Ainda de acordo com o TCE, houve superfaturamento na compra e cada um desses kits saiu por R$ 1,3 mil, enquanto que o estado, já tinha contrato firmado para entrega de itens parecidos, no valor de R$ 98,50.

Ao analisar o processo, o conselheiro-relator Antônio Joaquim ponderou que, embora a compra tenha sido superfaturada, os agentes públicos envolvidos estão isentos do dano ao erário, uma vez que foi constatada conduta dolosa por parte das empresas beneficiadas, mas estendeu a eles a responsabilização pelo dano, por entender que houve erro grosseiro na aquisição dos testes.

Leia Também:  Novo outdoor de ataque da direita em MT vira pauta nacional

Assim, Antônio Joaquim julgou regulares as contas prestadas pelo presidente e demais servidores e irregulares as contas prestadas pelas empresas.

Suspensão da compra

O TCE havia suspendido a compra dos kits emergenciais devido aos indícios de sobrepreço, em junho 2020. O Consórcio é formado pelos municípios de Juara, Tabaporã, Porto dos Gaúchos e Novo Horizonte do Norte.

Durante a compra somente Juara possuía casos de pacientes com Covid-19, o que, segundo o TCE, não justifica a forma como foi procedida a aquisição dos testes.

O Consórcio Intermunicipal de Saúde Vale do Arinos, presidido pelo prefeito de Porto dos Gaúchos (MT), Moacir Pinheiro Piovezan, afirmou que o valor pago no momento da compra estava de acordo com o valor de mercado e que se levou em consideração a ‘Lei da Oferta e Procura’.

O advogado do CISVA, Rony de Abreu Munhoz, disse, na época, que a comparação de preços realizada pelo TCE-MT foi com base em produtos distintos. Segundo ele, os produtos adquiridos pelo consórcio possuíam qualidade superior aos adquiridos pelo estado, que foram citados na ação.

Leia Também:  Justiça Eleitoral define o máximo de gasto nas campanhas 2022 em MT
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA