CUIABÁ

AGRO

Estudo da Unicamp desmistifica riscos do herbicida mais usado no mundo

Publicados

AGRO

Um estudo da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) minimizou os riscos de contaminação e danos à saúde de quem atua diretamente com herbicidas com princípio ativo do glifosato. Atualmente seu uso está proibido por ordem da Justiça.
A pesquisa, que envolveu a análise da urina de 30 trabalhadores rurais de uma das principais regiões produtoras de grãos de Mato Grosso, constatou traços do produto em 11% das amostras. Ainda assim, segundo os pesquisadores, estavam em quantidades inferiores aos limites estabelecidos pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Os resultados foram apresentados em Cuiabá pela Aprosoja-MT (Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso), entidade que financiou parte do estudo. “A Aprosoja arcou com os custos de reagentes e materiais para analisar essas amostras. E o sindicato rural indicou os trabalhadores, segundo os nossos critérios de inclusão e exclusão”, disse o professor Paulo Cesar Pires Rosa.

Segundo ele, o levantamento é preliminar, por envolver um universo reduzido de trabalhadores, mas seus resultados permitem desmistificar riscos do composto da Monsanto, comprada pela Bayer.

Leia Também:  Emanuelzinho quer R$ 20 mil de Abílio por postagem com sua foto

“O glifosato não é cumulativo. Depois de três horas da exposição, é praticamente todo eliminado do organismo”, disse.

A coleta das amostras ocorreu entre agosto e setembro de 2017 em Nova Mutum (245 km de Cuiabá). Foram selecionados homens e mulheres de 20 a 50 anos, expostos ao produto por períodos que variaram de 15 dias a até 10 anos – a média de foi de 30 meses.

Cada um forneceu três amostras, coletadas antes, durante e após a exposição.

Os resultados indicaram a presença de resíduos do glifosato em 11% das 90 amostras. No entanto, segundo o estudo, “nenhum dos casos ultrapassou os valores permitidos”.

Segundo a pesquisa, órgãos reguladores dos EUA consideram como IDA (ingestão diária aceitável) 1,75 mg/kg/dia de glifosato. Na União Europeia, o limite é de 0,3 mg/kg/dia.

“O maior valor encontrado nas amostras foi de 0,007 mg/kg, enquanto que no Brasil, de acordo com a Anvisa, foi estabelecida uma IDA de 0,042 mg/kg (42ng/mL)”, diz o relatório.

No início de agosto, a juíza federal Luciana Raquel Tolentino de Moura, do Distrito Federal, determinou que a União não conceda novos registros de produtos com glifosato.”

Leia Também:  Mauro dá chilique e chama decisão do TCU sobre BRT de "presepada"

“Recentemente, a Monsanto foi condenada nos EUA a indenizar em US$ 289 milhões (R$ 1,18 bilhão) um trabalhador que alega ter desenvolvido câncer por causa do glifosato.

O vice-presidente da Aprosoja, Fernando Cadore, disse que decisão da Justiça brasileira é equivocada. “É baseada em questões ideológicas, sem nenhum embasamento técnico.”

O procurador-chefe do MPT (Ministério Público do Trabalho) em Mato Grosso, Marcel Bianchini Trentin, pede cautela. “Temos outras pesquisas e resultados vinculando esses produtos a doenças. É a primeira vez que vejo uma que fala que está tudo bem.”

Fonte: Unicamp / Gazeta do Povo

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

AGRO

MT aumenta área plantada de soja, mas deve produzir menos

Por fim, a produção total para a próxima colheita ficou projetada em 39,48 milhões de toneladas para o estado.

Publicados

em

Sobre a produtividade, a estimativa foi estipulada em 58,62 saca/hectare, menos que 2021. FOTO - Exame/Alexis Prappas

A área aguardada de soja para a próxima temporada no estado de Mato Grosso (safra 2022/23) ficou projetada em 11,13 milhões de hectares, incremento de 2,55% em relação à safra 2021/22.

A ampliação inicial está pautada pela valorização do preço da oleaginosa, demanda aquecida e o momento de preços favoráveis dos subprodutos da soja, o que motivou alguns produtores a fazerem a conversão de áreas de pastagens para agricultura, principalmente em regiões onde a pecuária predomina — Nordeste, Noroeste e Norte.

A informação foi divulgada, nos últimos dias, pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (IMEA), no boletim semanal da soja. Sobre a produtividade, a estimativa foi estipulada em 58,62 saca/hectare, o que representa 1,26% abaixo em relação ao rendimento da safra 2021/22.

Apesar do recuo na estimativa, neste primeiro momento as projeções ficam limitadas,
devido a alguns pontos que podem impactar no decorrer da safra, como: condições climáticas e incertezas de investimento devido ao alto custo de produção.

Por fim, a produção total ficou projetada em 39,48 milhões de toneladas para o estado.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Lula diz ser "amigo de Blairo Maggi", mas reforça olhar para pequenos
Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA