CUIABÁ

POLÍTICA

Fávaro critica Auxílio Brasil de Bolsonaro: “medida eleitoreira”

Publicados

POLÍTICA

O senador Carlos Fávaro (PSD), criticou, neste fim de semana, a decisão do Governo Federal em encerrar o “Auxílio Brasil” no final de 2022, quando acabará a atual gestão de Jair Bolsonaro.

Conforme o parlamentar, é certo que o benefício ajudará centenas de famílias brasileiras, no entanto, encerrá-lo após o período eleitoral faz o programa se tornar uma medida “eleitoreira”.

“Me dá um sentimento de que é eleitoreiro, se me reeleger eu discuto a continuidade, senão é problema de quem assumir o Brasil”, disse o parlamentar, referindo-se sobre os termos do projeto.

Fávaro enfatizou que o Bolsa Família foi uma política pública “louvável” e que merece os devidos aprimoramentos. Para ele, apesar do programa ser ligado ao Partido dos Trabalhadores (PT), deveria ser permanente no Brasil.

“O Bolsa Família não é um programa do Partido dos Trabalhadores. Ele começou lá no PSDB, com o bolsa escola, e depois ele aprimorou e merece aprimoramentos. A iniciativa é louvável, o Governo Federal tem esse dever de propor melhorias de recursos, compromissos da família em qualificação, de manter a criança na escola, mas tem que ser permanente”, enfatizou.

Leia Também:  Sem espaço para o Senado, Natasha decide não disputar nada

Fim do Auxílio Brasil

O antigo Bolsa Família teve seu fim decretado mediante concessão do Auxílio Brasil. Os beneficiários permanecem sendo a população em situação de vulnerabilidade social, que terão acesso a uma mensalidade de R$ 217.

Após meses em tentativa, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) conseguiu encerrar o funcionamento do Bolsa Família.

O antigo programa fazia uma articulação com uma série de políticas públicas, exigindo que os beneficiários fossem acompanhados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e pelos centros de educação municipais.

Já no Auxílio Brasil, o Governo Federal atualizou as exigências. Alguns abonos complementares requerem a frequência e bom desempenho escolar, mas até o momento não se sabe como o ministério da cidadania fará esse acompanhamento.

A grande mudança é que o atual projeto não contará com a ajuda dos governos municipais para acompanhar o desenvolvimento dos beneficiários.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

POLÍTICA

Obcecado pelo BRT, Mauro almoça com ministro do TCU

Inicialmente por meio do ministro, Aroldo Cedraz, e depois pelo pleno da Corte, a implantação do BRT se tornou suspensa

Publicados

em

Mendes almoçou com o ministro do TCU, Augusto Nardes, que é de Mato Grosso e atua no órgão onde o governador quer destravar sua manobra antiVLT

O governador, Mauro Mendes (UNIÃO), que visivelmente se sente plenamente reeleito, já começou a focar em agendas em que prepara o terreno para o que “fará em seu segundo mandato”. A principal meta do gestor estadual é retomar e conseguir implantar o BRT em Cuiabá/Várzea. Para tanto, pagará cerca de R$ 460 milhões à empresa, que soma/se a valores repassados à Caixa Econômica Federal – CEF para enterrar, inexplicavelmente, o projeto do VLT, que já havia consumido mais de R$ 1 bilhão.

Após intervenção do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), no Tribunal de Contas da União – TCU, em Brasília, o órgão reconheceu a falta de explicações técnicas e econômicas por parte de Mauro e barrou a implantação do BRT, inicialmente por meio do ministro, Aroldo Cedraz, e depois pelo pleno da Corte.

Desde então, o governador não consegue esconder o desconforto. Ele já chegou a pegar um avião e foi até Brasília se reunir com Aroldo e boa parte da bancada federal, buscando uma maneira de demover o ministro da ideia. Aroldo, contudo, se manteve firme.

Leia Também:  Pesquisa aponta reeleição de Wellington pouco ameaçada em MT

Nesta segunda-feira (8), Mendes almoçou com o também ministro do TCU, Augusto Nardes, que é de Mato Grosso, e não escondeu que trataria com ele sobre o BRT: “é uma boa pauta”.

Segundo Mendes, a decisão do TCU de barrar a construção do BRT é um “caso muito atípico”. “O TCU deu um parecer para uma obra que não tem atribuição do Tribunal de Contas. Não tem verba federal, não tem órgão federal envolvido nisso. É um absurdo, um verdadeiro absurdo. Mas eu espero que o TCU reconheça isso. O que é óbvio, que qualquer técnico com o menor nível de conhecimento sabe o que eu estou falando é a verdade. Então eu espero que o TCU reveja essa posição e não seja um paralisador de obras aqui no estado do Mato Grosso quando não tem verba federal que atrai a sua competência”, argumentou.

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA