CUIABÁ

Educação

População adere ao #vctemvoz

Publicados

Educação

Movimentos como esse ocorrem em outras partes do mundo e ajudam mulheres a denunciar agressões

Desde o último domingo (25), a hashtag #vctemvoz tem conscientizado internautas sobre a violência contra as mulheres. Em redes sociais como o Twitter, o Facebook e o Instagram é possível encontrar mensagens de apoio e de incentivo às vítimas de agressões. A mobilização é resultado da campanha promovida pelo governo federal que pretende mostrar que elas têm voz e apoio para denunciar os casos de agressão por meio do número 180.

O movimento lembra o #metoo, que mobiliza milhares de americanas. A expressão, que significa algo como “eu também”, se popularizou ao ser usada por atrizes para denunciar os assédios que sofriam dos diretores de Hollywood.

Para a psicóloga porta-voz da Associação Fala Mulher, Vanessa Molina, essas campanhas ganham força e têm potencial porque “por meio das redes sociais o alcance das informações é abrangente e rápido, é possível em pouco tempo alcançar milhares de pessoas.”

Leia Também:  Empresa escolhida para BRT de Mauro Mendes foi alvo da Lava Jato

Molina ainda acredita que essas campanhas são essenciais, pois é importante que “a mulher que passa ou que já passou por situação de violência doméstica saiba que não está sozinha, e que pode contar com apoio profissional de serviços especializados”.

Assim como a psicóloga, o ministro dos Direitos Humanos, Gustavo Rocha, defende que os comentários feitos pelos internautas contribuem para esclarecer que a violência contra a mulher pode se manifestar de várias formas: física, psicológica, sexual, patrimonial e moral. “Esses tipos de violência costumam evoluir e muitas vezes terminam em sua forma mais grave: o feminicídio. Essa palavra significa justamente a morte violenta de mulheres motivada por sua condição de mulher”.

Além do 180, a mulher vítima de violência pode procurar a Casa da Mulher Brasileira, as delegacias especializadas e as Unidades Básicas de Saúde. Elas também têm apoio de associações da sociedade civil, como a Fala Mulher, que presta acolhimento e desenvolve ações para coibir a violência contra a mulher.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

CIDADES

Governo de MT suspende retorno das aulas presenciais

Publicados

em

O governo estadual voltou atrás na decisão da retomada das aulas presenciais, marcada para começar no dia 7 de junho, e decidiu, na tarde de ontem (28), suspender o retorno das aulas na modalidade híbrida até o dia 16 de julho.

De acordo com o secretário de Educação, Alan Porto, as aulas vão continuar na modalidade não presencial até o fim deste semestre. O alto índice de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e a volta do crescimento de casos e mortes, com o início da terceira onda da Covid-19, foram os principais motivos para a suspensão, que foi definida em reunião com o governador Mauro Mendes.

Também foi considerado o início da vacinação dos profissionais da educação. A previsão é que, após o recesso escolar do meio do ano, em agosto, os alunos retornem na modalidade híbrida, quando os servidores já devem estar imunizados.

COMENTE ABAIXO:

Leia Também:  Deputado federal de MT se torna réu por acusar prefeito de pedofilia
Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA