CUIABÁ

DETERMINAÇÃO NACIONAL

PP veta alianças com Lula e complica vida de Neri em MT

Com isso, deve ficar impedida a aliança do pré-candidato ao Senado, Neri Geller, com a Federação de esquerda liderada pelo ex-presidente Lula.

Publicados

POLÍTICA

Preterido por Bolsonaro e Mauro Mendes, Geller não teve outra alternativa a não ser se juntar a Lula

O presidente interino do Progressistas, deputado federal Claudio Cajado (BA), afirmou, ontem (2), que o partido não fará coligação com o PT em nenhum estado do País.

O posicionamento, segundo apurou o MINUTO MT, é corroborado pelo atual ministro da Casa Civil de Jair Bolsonaro (PL), Ciro Nogueira (PP).

Com isso, deve ficar impedida a aliança do pré-candidato ao Senado, Neri Geller, com a Federação de esquerda liderada pelo ex-presidente Lula.

Em nota, Cajado reitera que o projeto e reeleger Bolsonaro:

“O Diretório Nacional do Progressistas informa que a sigla não irá fazer coligação com o Partido dos Trabalhadores em nenhum estado brasileiro. O PP oficializou, por meio de convenção nacional, coligação com o PL e apoio à reeleição do presidente Jair Bolsonaro”, afirmou o dirigente por meio de nota divulgada à imprensa.

Aliança local

Geller havia costurado uma aliança com a Federação Brasil de Esperança, formada pelos partidos PT, PV e PCdoB. O grupo foi unido após um encontro com Lula em Brasília, no mês passado.

Inicialmente, Neri tentava o apoio do governador Mauro Mendes (União Brasil). Ocorre que este fechou questão com Bolsonaro, o que o aproxima da candidatura à reeleição do senador Wellington Fagundes (PL).

Leia Também:  Janaína diz que candidatura de Márcia é subterfúgio de Emanuel

Mendes chegou a propor “palanque aberto”, em que não coligaria com um dos candidatos e apoiaria a todos. Neri, porém, assim como Fagundes, não gostou da ideia e caiu nos braços de Lula, ao lado de Carlos Fávaro (PSD).

A aliança com a esquerda, porém, não foi bem vista por lideranças do agronegócio, que são em sua maioria pró-Bolsonaro. Nas redes sociais, ele chegou a receber diversas críticas.

Por trás de tudo isso, estaria a família Maggi, sobretudo as figuras dos primos Eraí e Blairo, que estão cada vez mais próximos de Lula (PT) e que teriam validado a aproximação de Neri e Fávaro com o petista.

À imprensa, Neri já se defendeu dizendo que sempre esteve próximo da esquerda e lembrou que foi ministro da Agricultura da gestão Dilma Rousseff.

A dúvida agora é se o PP vai abrir exceção em Mato Grosso ou se Neri terá sua candidatura, que já vem estagnada, ainda mais prejudicada para chegar forte nas urnas.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍTICA

Mauro vê plágio em plano de Governo de Márcia e Emanuel ironiza

Grupo de oposição quer colocar em prática aquilo que o governador, enquanto candidato, teorizou e nunca entregou

Publicados

em

Emanuel é o coordenador da campanha de Márcia e vai explorar os desgastes do atual gestor para dar fôlego ao projeto oposicionista. FOTO - Marcus Vallant GD

A candidata a governadora de Mato Grosso, Márcia Pinheiro (PV), rebateu a acusão de que seu plano de governo é plágio das propostas apresentadas por Mauro Mendes (UB), nas eleições de 2018.

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), coordenador da campanha de Márcia, disse que as propostas descritas no Plano de Governo de Marcia atendem exatamente a necessidades universais não cumpridas pela atual gestão do Estado.

Dentre os pontos, cita o pagamento da Revisão Geral (RGA) e a valorização dos servidores públicos. “Não se trata de nenhum demérito. É uma questão de redação. E se o gestor atual não conseguiu cumprir o que havia prometido, é uma necessidade do povo, vai constar no Plano de Governo”, Emanuel Pinheiro (MDB).

A coordenação da campanha a reeleição de Mauro apontou que 23 compromissos protocolados na Justiça Eleitoral em 2018 pelo então candidato e atual governador Mauro Mendes (UB) foram plagiados, na íntegra, pela candidata de oposição Márcia Pinheiro (PV), em seu Plano de Governo das eleições de 2022.
No total, 71 propostas de Mauro em 2018 foram alvo de “inspiração” para a primeira-dama de Cuiabá, sendo 23 integralmente copiadas. De acordo com Emanuel, “o fato de serem propostas idênticas ou semelhantes deve-se, exclusivamente, a inoperância da atual gestão que não cumpre o que promete. E, logicamente, o debate deve ser retomado. Se é uma necessidade da população, o assunto retornará a pauta”, asseverou.

Leia Também:  Lula deve vir a MT para lançar Márcia Pinheiro ao Governo

Quanto à entrega do novo hospital municipal de Cuiabá , o coordenador lembra que foi a gestão Emanuel Pinheiro quem finalizou e entregou à população de todo estado o maior e mais moderno hospital de Cuiabá, obra que foi prometida pelo então prefeito Mauro Mendes e que não foi entregue.

Hoje, em razão da desassistência da saúde no interior do Estado, o novo pronto-socorro é a referência a milhares de moradores de Mato Grosso e a citação à construção, descrita no Plano de Governo, trata-se de um erro da equipe redatora e será devidamente corrigido.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

BRASIL E MUNDO

AGRO E ECONOMIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA